Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Surfistas brasileiros abrem fase de ‘treinos’ nas ondas do Havaí

Gabriel Medina, Filipinho e Mineirinho aproveitam evento da Tríplice Coroa para se adaptar ao local da última etapa do Mundial

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

12 Novembro 2015 | 07h05

Com a presença de 22 brasileiros, começa nesta quinta-feira, com a primeira chamada às 15h30 (horário de Brasília), o Hawaiian Pro, primeira etapa da Tríplice Coroa Havaiana e evento da divisão de acesso do Circuito Mundial de Surfe. Três dos candidatos ao título mundial na elite deste ano – Filipe Toledo, Adriano de Souza, o Mineirinho, e Gabriel Medina – vão competir, a partir da terceira fase. O australiano Mick Fanning, rival dos brasileiros em busca do troféu, preferiu não participar.

Apesar de não contar pontos para o ranking mundial da elite, só para a segunda divisão, o torneio é tradicional e a conquista da Tríplice Coroa Havaiana, que é dada ao surfista com melhor desempenho em três etapas (Hawaiian Pro, Vans World Cup, em Sunset, e o Billabong Pipe Masters), é uma honraria que só perde em importância para o título mundial de surfe.

Para os brasileiros, participar desta etapa ajuda a ter contato com um tipo de onda pesada, no litoral norte do Havaí, na mesma região onde será definido o campeonato. “Vou disputar todas as etapas da Tríplice Coroa. Eu penso em usar esse campeonato para entrar no ritmo. Meu maior foco é vencer a última etapa, então quero usar este evento agora, depois o de Sunset, para chegar bem em Pipeline”, diz Mineirinho.

Ele está em terceiro lugar no ranking, atrás de Filipinho e Fanning. Na quarta posição vem Gabriel Medina, um pouco mais atrás do bloco dos líderes e com chances menores, mas que existem. Assim, apesar de estar na luta pelo bicampeonato, o garoto de Maresias vai disputar todas as etapas da Tríplice Coroa. “Vou competir no Havaí nas primeiras etapas para me preparar para Pipeline”, avisa Medina.

Ele começou no Brasil a fazer sua preparação física e espera estar em forma para as competições. No ano passado, fez o mesmo tipo de preparação e conquistou o título mundial. Filipinho só não vai participar da etapa em Sunset. “Quero ficar treinando em Pipeline todo dia.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.