Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Surfistas brasileiros abrem fase de ‘treinos’ nas ondas do Havaí

Gabriel Medina, Filipinho e Mineirinho aproveitam evento da Tríplice Coroa para se adaptar ao local da última etapa do Mundial

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2015 | 07h05

Com a presença de 22 brasileiros, começa nesta quinta-feira, com a primeira chamada às 15h30 (horário de Brasília), o Hawaiian Pro, primeira etapa da Tríplice Coroa Havaiana e evento da divisão de acesso do Circuito Mundial de Surfe. Três dos candidatos ao título mundial na elite deste ano – Filipe Toledo, Adriano de Souza, o Mineirinho, e Gabriel Medina – vão competir, a partir da terceira fase. O australiano Mick Fanning, rival dos brasileiros em busca do troféu, preferiu não participar.

Apesar de não contar pontos para o ranking mundial da elite, só para a segunda divisão, o torneio é tradicional e a conquista da Tríplice Coroa Havaiana, que é dada ao surfista com melhor desempenho em três etapas (Hawaiian Pro, Vans World Cup, em Sunset, e o Billabong Pipe Masters), é uma honraria que só perde em importância para o título mundial de surfe.

Para os brasileiros, participar desta etapa ajuda a ter contato com um tipo de onda pesada, no litoral norte do Havaí, na mesma região onde será definido o campeonato. “Vou disputar todas as etapas da Tríplice Coroa. Eu penso em usar esse campeonato para entrar no ritmo. Meu maior foco é vencer a última etapa, então quero usar este evento agora, depois o de Sunset, para chegar bem em Pipeline”, diz Mineirinho.

Ele está em terceiro lugar no ranking, atrás de Filipinho e Fanning. Na quarta posição vem Gabriel Medina, um pouco mais atrás do bloco dos líderes e com chances menores, mas que existem. Assim, apesar de estar na luta pelo bicampeonato, o garoto de Maresias vai disputar todas as etapas da Tríplice Coroa. “Vou competir no Havaí nas primeiras etapas para me preparar para Pipeline”, avisa Medina.

Ele começou no Brasil a fazer sua preparação física e espera estar em forma para as competições. No ano passado, fez o mesmo tipo de preparação e conquistou o título mundial. Filipinho só não vai participar da etapa em Sunset. “Quero ficar treinando em Pipeline todo dia.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.