Brasileiros derrotam anfitriões no fotochart

Juízes deram vitória de Scheidt e Prada, recuaram e apontaram triunfo britânico e depois voltaram atrás de novo

PAULO FAVERO , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES , O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h04

A dupla brasileira Robert Scheidt e Bruno Prada, da classe Star, já está liderando a competição nos Jogos Olímpicos. Ontem, na disputa de duas regatas, eles terminaram em quarto lugar na primeira e venceram a segunda em uma decisão que demorou a sair. Tudo porque a chegada foi junto com a dupla britânica Iain Percy e Andrew Simpson e o desempate precisou ser feito através de imagens e da marcação do GPS das embarcações. "Nós ficamos trocando de posições o tempo todo na segunda regata, realmente eu não sabia quem iria vencer. No final, fiquei feliz com o resultado. Acho que é assim que uma Olimpíada tem de ser, com disputas de alto nível", disse Scheidt.

Hoje, ele e Prada competem em mais duas regatas a partir das 10h05. O parceiro diz que não vai mudar o estilo. "Vamos continuar sendo conservadores e se ficarmos entre os cinco primeiros nas duas provas será ótimo. O nível está muito alto, com todos os barcos muito parelhos, por isso qualquer erro custa caro", lembra Prada.

Logo no primeiro resultado, a organização indicou a vitória de Scheidt, mas depois voltou atrás e marcou para a dupla britânica. Finalmente, após muita revisão das fotos e equipamentos de posicionamento por satélite, o resultado oficial saiu e indicou a vitória na regata para o barco brasileiro. Os adversários não acreditaram na mudança do resultado. "Foi uma luta dura pela dianteira e não tive certeza se vencemos ou não. Na hora pensamos que havíamos chegado na frente", explicou Simpson.

Agora, Scheidt e Prada lideram a classificação geral com 4 pontos perdidos. Em segundo lugar estão os irlandeses Peter O'Leary e David Burrows, com 8 pontos perdidos. E na terceira posição vêm os poloneses Mateusz Kusznierewicz e Dominik Zycki. Os anfitriões Percy e Simpson estão apenas na quinta colocação geral, com 13 pontos perdidos. Eles estão mais atrás na classificação porque fizeram uma primeira regata ruim e terminaram apenas na 11.ª posição. No total serão disputadas dez regatas antes da medal race (que conta o dobro de pontos) e eles têm a possibilidade de descartar um resultado.

Como já obtiveram uma colocação ruim, sabem que não podem mais cometer erros, como explica Percy. "Perdemos pontos importantes na primeira regata, mas nos recuperamos na seguinte. Ficamos um pouco desapontados com o resultado, mas precisamos continuar concentrados. Ainda estamos na briga." Mesmo Scheidt sabe que a competição ainda está longe de definir um vencedor. "Vamos dar o máximo, colocar nossas cartas na mesa e ver como as coisas serão até o final da semana", avisou.

Estreias. Caçula da delegação de vela do Brasil, Jorginho Zarif competiu na classe Finn em sua primeira olimpíada. Nas duas regatas do dia, ele obteve o 15.º e o 20.º lugares, respectivamente. Hoje ele volta à raia de Weymouth para mais duas regatas, a partir das 10 horas. Quem também inicia sua participação em Londres é Adriana Kostiw, da Laser Radial (às 8h05) e Bruno Fontes, da Laser (às 8h). Ele está animado e ansioso para cair na água. "Estou tranquilo e com muita vontade de velejar. Espero conquistar um grande resultado."

VELA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.