Brasileiros disputam a Volvo Ocean Race

Os velejadores brasileiros André Mirsky e Lucas Brun, foram os selecionados para integrar a tripulação do barco holandês ABN-2 que disputará a regata Volvo Ocean Race, de volta ao mundo, a partir de novembro, com largada em Vigo, Espanha. Edgardo Vieytes foi o terceiro candidato brasileiro a ficar fora da tripulação. Apesar de jovens, Mirsky tem 27 anos e Brun 21 anos, os dois somam muitas milhas de navegação, incluindo a participação em tradicionais regatas brasileiras de oceano como a Santos-Rio, a Semana de Vela de Ilhabela e a Búzios Sailing Week. "A experiência que adquirimos nessas regatas menores disputadas no Brasil, vão ajudar muito na volta ao mundo. A partir deste ano a Volvo terá pequenas provas nos portos de parada também valendo pontos. Nessas horas eu e o Lucas podemos fazer a diferença", lembra Mirsky, aliviado por ter retirado dos ombros todo o peso que há meses o pressiona. "Desde dezembro, quando começou a seletiva foi só treino, academia e alimentação controlada. Estou cansado mas estou feliz, pronto para a vida nova que terei nos próximos 15 meses". No momento do anúncio dos oito escolhidos a expectativa era tão estressante que a voz do diretor de Vela da equipe ABN, Roy Heiner, ficou isolada em meio ao dramático silêncio que tomava conta do pier principal da Marina-Resort de Portimão. Anunciada a seleção, o exigente velejador holandês, que disputou a regata de volta ao mundo em 1998, deu início a um novo período de cobranças. "Agora é o momento deles comemorarem o que fizeram na seletiva. Amanhã têm de esquecer o que passou e acordar pensando na regata." Depois de elogiar o desempenho dos candidatos brasileiros, Heiner justificou a escolha. Destacou a habilidade de Mirsky quando assume o leme e a agilidade do pequeno Brun, versátil para desempenhar qualquer função a bordo, como fatores decisivos. A cobrança antecipada não intimida Lucas, filho do bicampeão mundial da classe Soling, Gastão Brun. "Não vai ter essa história de tripulação jovem ou falta de experiência. Vamos entrar para ganhar. Ainda há muito tempo para treinarmos." Pelo regulamento da seletiva, o veleiro ABN-2 só levará tripulantes com menos de 30 anos. Há também o critério de reunir velejadores de diferentes nacionalidades - os companheiros de Mirsky e Brun serão dois holandeses, dois americanos e dois australianos. A embarcação ficará sob responsabilidade do comandante francês, Sebastien Josse, e do tático britânico, Simon Fisher. Os brasileiros estão liberados para passar o mês de abril em casa, mas em maio retornam à Portugal para fixar residência na Marina de Portimão até a largada da regata Volta ao Mundo. Edgardo Vieytes, o brasileiro eliminado na fase final da seletiva, ficou decepcionado, mas conformado. "Queria fazer essa regata, mas não estava totalmente convencido de que seria um bom negócio ficar tanto tempo a bordo. Talvez não seja meu perfil." Edgardo, um profissional da vela, volta a correr regatas oceânicas na Itália, em abril, e planeja tentar uma vaga na equipe olímpica brasileira, na classe 49er, nos Jogos de Pequim, em 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.