Brasileiros e norte-americanos esperam rivalidade em torneio de vôlei de praia

Brasil e Estados Unidos, duas das principais potências do vôlei de praia, se enfrentam a partir desta quinta-feira no torneio Melhores do Mundo. Ao todo, serão 32 atletas, dos dois naipes, que jogarão nas areias da Praia de Copacabana, na zona sul do Rio. Eles esperam que a competição seja o ponto de partida para uma ótima temporada. As melhores duplas no decorrer de 2015 defenderão seus países nos Jogos Olímpicos de 2016.

RONALD LINCOLN JR., Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2015 | 15h50

Os jogos eliminatórios do torneio vão ocorrer entre quinta e sexta-feira. Cada equipe vai enfrentar as quatro duplas do país rival. As finais, com as melhores duplas de cada país, estão marcadas para o domingo, 1º de março, que marca o aniversário de 450 anos da cidade do Rio.

Embora seja uma espécie de pré-temporada internacional (o circuito brasileiro não parou), Juliana espera dureza. "É um torneio diferente. Não é Olimpíada, nem faz parte do Circuito Mundial. Mas, vai ser como se fosse. Os americanos são muito competitivos e vão se dedicar ao máximo até se for em uma partida de pôquer", brincou durante entrevista nesta quarta-feira, em um hotel próximo à arena onde vai ser realizado o torneio

"E aqui não estaremos representando a dupla Juliana e Maria Elisa, vamos defender o Brasil", completou. Juliana, ao lado de Maria Elisa, é atual campeã do Circuito Mundial de Vôlei de Praia.

O norte-americano Phil Dalhausser, medalhista de ouro na Olimpíada de Pequim, em 2008, afirmou que além da pressão da torcida brasileira, espera que o forte calor do verão carioca seja um adversário complicado. "Eu amo jogar sobre pressão. Estou treinando há apenas um mês e na Califórnia não faz a mesma temperatura, é diferente, aqui é muito quente. Mas, vou dar o melhor de mim para começar bem a temporada."

O torneio é visto com bons olhos pela dupla Ricardo e Emanuel que reeditaram a antiga parceria, projetando representar o Brasil em mais uma Olimpíada. "O mais importante deste torneio é o lado motivacional. Estou voltando a jogar com o Emanuel e queremos fazer uma nova história. Hoje, o voleibol é diferente e estamos tentando nos adaptar."

Tudo o que sabemos sobre:
vôlei de praiaMelhores do Mundo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.