Brasileiros ficam fora do 'melhores do ano' do judô

Nenhum brasileiro ficou entre os 15 atletas beneficiados financeiramente no prêmio de melhores do ano da Federação Internacional de Judô (IJF, na sigla em inglês), anunciado nesta segunda-feira. Depois de chegar a ter até cinco líderes do ranking mundial, o Brasil fecha 2014 sem nenhum melhor do mundo.

Estadão Conteúdo

15 de dezembro de 2014 | 17h05

As premiações máximas foram dadas a Majlinda Kelmendi, principal expoente do esporte olímpico do Kosovo, que vai estrear como país independente nos Jogos do Rio/2016, e ao georgiano Avtandil Tchrikishvili. Como atletas que mais somaram pontos no ranking mundial, receberão um cheque US$ 50 mil.

A IJF também decidiu premiar o francês Teddy Riner, imbatível entre os pesos pesados, e o grego Ilias Iliadis, campeão mundial na categoria até 90kg, pelos "extraordinários serviços para popularizar o judô no mundo, assim como seus excelentes resultados esportivos". Cada um ganhará US$ 40 mil.

Além disso, outros 11 judocas foram premiados em US$ 10 mil por fecharem o ano como líderes do ranking mundial. O Brasil tem oito atletas entre os quatro melhores de suas respectivas categorias: Charles Chibana (66kg, terceiro), Victor Penalber (81kg, terceiro), Rafael Silva (+100kg, segundo), Sarah Menezes (48kg, segunda), Erika Miranda (52kg, terceira), Rafaela Silva (57kg, quarta), Mayra Aguiar (78kg, segunda) e Maria Suelen Altheman (+78kg, segunda).

Tudo o que sabemos sobre:
judôIJFRafaela SilvaRafael Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.