Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Brasileiros finalizam preparação para o Mundial de Atletismo Indoor

País será representado por sete atletas, com destaque para Thiago Braz, no salto com vara

Estadão Conteúdo

28 de fevereiro de 2018 | 20h42

Na véspera do início do Mundial Indoor de Atletismo, os brasileiros finalizaram nesta quarta-feira a preparação para a competição, que será aberta nesta quinta, na cidade inglesa de Birmingham. O País será representado por sete atletas, com destaque para Thiago Braz, número dois no ranking mundial indoor no salto com vara, e Almir Junior, líder do ranking mundial na temporada no salto triplo em competições indoor.

+ Candidatos a cargo de vice do COB expõem suas ideias em debate

Enfrentando frio e até neve, os brasileiros treinaram nesta quarta no Alexander Stadium, que está instalado no Centro de Alto Rendimento de Birmingham, localizado a cerca de 300 metros da Bayclaycard Arena, local da grande competição. A temperatura na cidade inglesa está alcançando os dois graus negativos.

"Estamos levando uma delegação pequena, com atletas que conseguiram índices da IAAF. Eles representarão o Brasil com muita garra", disse o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), José Antonio Martins Fernandes, o Toninho.

Dos sete brasileiros inscritos na competição, somente Thiago Braz e Darlan Romani (arremesso de peso) ainda não desembarcaram em Birmingham. Braz, que mora na Itália, chegará nesta quinta, vindo de Veneza, na companhia do seu técnico, Vitaly Petrov. Darlan chegará à cidade inglesa nesta quinta vindo de São Paulo.

Os demais brasileiros no Mundial Indoor são Gabriel Oliveira Constantino (60 metros com barreiras), Nubia Aparecida Soares (salto triplo), Rosângela Cristina Oliveira Santos e Vitória Cristina da Silva Rosa (ambas na prova dos 60 metros).

O Mundial, que terá 632 atletas de 143 países, começará nesta quinta com o salto em altura masculino, o salto em altura feminino e a prova dos 3.000 metros feminino. Sem participação brasileira, portanto.

A competição vai distribuir US$ 2,3 milhões (cerca de R$ 7,5 milhões) em prêmios, além de oferecer bônus de US$ 50 mil (R$ 162 mil) para os atletas que baterem recordes mundiais na competição.

No Mundial Indoor, que começou a ser disputado em 1985 ainda em regime de testes, o Brasil tem histórico de 15 medalhas: sendo quatro de ouro, cinco de prata e seis de bronze.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.