Mathieu Desnos
Mathieu Desnos

Brasileiros miram vagas olímpicas em Mundial de Canoagem Slalom na Espanha

Evento será realizado em La Seu d'Urgell e equipe nacional terá nove atletas, entre eles Ana Sátila e Pepê Gonçalves

Redação, Estadao Conteudo

24 de setembro de 2019 | 19h16

O Mundial de Canoagem Slalom começa nesta quarta-feira em La Seu d'Urgell, na Espanha, com a distribuição das primeiras vagas olímpicas da modalidade para os Jogos de Tóquio, em 2020. O Brasil vai para a competição com nove atletas e o principal nome é Ana Sátila, que tem tudo para carimbar sua vaga no torneio que acaba no domingo.

"Essa com certeza será a competição mais importante de 2019. Todos os atletas estão na expectativa de darem o seu melhor para buscar a vaga e eu com certeza também estou com esse pensamento", comentou a atleta, que está em 2º lugar no ranking do C1 e em 4º lugar geral no K1. Ela vai competir nas duas categorias, a canoa (C1) e o caiaque (K1).

Além de Ana Sátila, o Brasil terá ainda sua irmã Omira Estácia e Marina Souza no feminino. No masculino são seis atletas: Pedro Gonçalves, Fábio Rodrigues e Guilherme Rodrigues no K1, e Felipe Borges, Charles Corrêa e Kauã Silva no C1. Todos eles chegaram com alguns dias de antecedência na Espanha e estão treinando no canal.

"Chegou a hora, chegou o momento, para mim é muito especial. Há 10 anos eu estava iniciando aqui também em La Seu d'Urgell e agora novamente em uma competição marcante pra mim, estou me preparando bastante para conseguir a vaga olímpica", disse Pepê Gonçalves, que conquistou o sexto lugar nos Jogos do Rio, em 2016.

A Federação Internacional de Canoagem (ICF, na sigla em inglês) definiu que serão 18 vagas olímpicas no caiaque e 11 na canoa (masculino e feminino). Mas é uma lista corrida por nação, ou seja, apenas uma embarcação de cada país garante a vaga. No caso dos brasileiros, quem obtiver a vaga terá uma vantagem na seletiva nacional para poder confirmar sua ida para Tóquio.

No caso de Ana Sátila, ela tem grandes chances de conquistar as vagas tanto no C1 quanto no K1, mas só poderá preencher a vaga em uma das duas categorias e a outra será repassada ao barco seguinte na classificação. Mas é possível que ela dispute os Jogos de Tóquio na canoa e no caiaque, caso outro barco do Brasil não conquiste a vaga. Se os atletas nacionais não alcançarem a vaga, ainda restará uma chance no Campeonato Pan-Americano no próximo ano.

Nesta quarta-feira, o Mundial contará com as provas por equipes. O Brasil terá o trio no C1 masculino com Felipe Borges, Charles Corrêa e Kauã Silva e no K1 masculino Pedro Gonçalves, Fábio Rodrigues e Guilherme Rodrigues. Já o time formado por Ana Sátila, Marina Souza e Omira Estácia disputam as provas de C1 e K1 feminino. No fim de semana serão realizadas as semifinais e finais individuais.

Tudo o que sabemos sobre:
CanoagemAna SátilaPepê Gonçalves

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.