Brasileiros torcem por chuva

Africanos são favoritos, mas atletas nacionais acreditam ter chance de surpreender com eventual mau tempo

Bruno Deiro e Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

31 de dezembro de 2008 | 00h00

O mau tempo é o que os espectadores da 84ª Corrida de São Silvestre não gostariam de ver hoje nas avenidas da capital paulista. Mas é a notícia que os corredores brasileiros mais esperam para ver crescer as chances de vitória na prova que transforma as ruas de São Paulo, a partir das 16h52 (com TV Globo e Gazeta), em passarela para mais de 20 mil atletas e as calçadas em empolgadas arquibancadas. A largada do feminino é às 16h45. Acesse e acompanhe ao vivo a disputa da São Silvestre"Já preparei meus pneus de chuva", brinca o mineiro Franck Caldeira. Em 2006, ele venceu a corrida sob tempo ruim e torce para que a situação se repita. "Os corredores africanos vão bem de qualquer jeito", constatou. "Mas, é melhor que chova, porque cria clima tenso e traz dificuldades para eles terem boas marcas."Faça chuva ou faça sol, esta edição da prova não deve apresentar surpresas. Se for seguido o script, os conhecidos favoritos não darão chances a nomes em ascensão. "Sinceramente, não acredito em surpresas", afirma Moacir Marconi, brasileiro que há 12 anos cuida do treinamento de alguns quenianos. "Muitas vezes se ganha até com o nome. O corredor acredita tanto em si que intimida os outros, mas não desta vez." Na avaliação do especialista, será difícil bater os africanos, mais do que nunca os principais favoritos hoje. A maior expectativa do Brasil recai sobre os ombros magros do próprio Franck Caldeira. Neste ano teve uma temporada fraca em termos de resultados, ainda mais se comparada à de 2007, quando venceu a Maratona nos Jogos Pan-Americanos e a Meia-Maratona do Rio, além da Volta da Pampulha, em Belo Horizonte. ainda assim pode surpreender. "Pode ser nossa grande esperança", diz Marconi. Ele (Caldeira) está bem, apresenta trabalho progressivo", comenta o preparador. "Está começando a subir, ainda mais depois da 3ª colocação na Volta da Pampulha deste ano."Os colegas de Caldeira tentam mostrar otimismo. "Vamos brigar até o final", garante Giomar Pereira da Silva, segundo colocado da Nike 10K Rio de 2008. Mas logo cai na real e admite dificuldades. "É difícil, mas não impossível. Se não der brasileiro desta vez, tudo bem. Vamos voltar no ano que vem."HEGEMONIA QUENIANANas últimas 12 edições, os quenianos ficaram com a primeira colocação da prova masculina em oito oportunidades. Na última década, o Brasil até deu trabalho para os africanos, ao vencer em três ocasiões - Marílson Gomes da Silva levou o título em 2003 e em 2005; Caldeira em 2006. Paul Tergat é a maior referência da recente hegemonia queniana. Ele venceu cinco edições e cravou, em 1995, o recorde da corrida: percorreu os 15 km em 43 minutos e 12 segundos. É marca que ainda hoje assusta a melhor escola de fundistas do mundo. "Eles (os atletas do Quênia) têm talento para isto, mas baixar aquele tempo é complicado", explica Marconi.No entanto, é grande o rol de atletas do país dispostos a marcar o nome na história da famosa corrida. Mesmo com a ausência de Robert Cheruyot, tricampeão da prova - 2002, 2004 e 2007 -, a armada queniana tem atletas com currículo expressivo. Nicholas Koech, 26 anos, é um deles. Este ano, venceu algumas das principais provas de média distância do Brasil - a Volta da Pampulha e a Nike 10K Rio. Com um sobrenome de peso, apesar de nenhum parentesco com Robert, Evans Cheruiyot tem na bagagem conquistas importantes. Nesta temporada, ganhou a Maratona Internacional de Chicago, com o tempo de 2h06min25s. Além disso, lçevou o bronze no Mundial de Meia Maratona da Itália, em 2007. FIQUE DE OLHOMasculinoEvans Cheruiyot (QUE) 26 anos: Campeão da Maratona de Chicago em 2008, é apontado como principal favorito dentreos estrangeirosFranck Caldeira (BRA) 25 anos: Maior esperança brasileira, o campeão em 2006 vem de um 3º lugar na Volta da Pampulha Nicolas Koech (QUE) 26 anos: Foi campeão da Volta da Pampulha, da Corrida Nike 10K Rio e da Meia Maratona de Bonn em 2008Kiprono Mutai (QUE) 20 anos: A vitória na Meia Maratona de São Paulo e o 2º lugar na Volta da Pampulha o colocam entre os favoritosAnoé dos Santos Dias (BRA)27 anos: Brasileiro mais bem colocado na São Silvestre de 2007, com o terceiro lugarFeminino Nancy Kipron (QUE) 29 anos: Favorita entre as mulheres, foi campeã da Volta da Pampulha e da Corrida Nike 10K Rio em 2008Marizete de Paula Rezende (BRA) 33 anos: Campeã da São Silvestre em 2002, pode surpreenderMaria Zeferina Baldaia (BRA) 36 anos: Vencedora em 2001 e terceira colocada em 2002, levou a Meia Maratona Stramilano em 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.