Brasileiros treinam no exterior para a SS

A ingrata missão de superar o favoritismo dos quenianos não desanima os brasileiros que vão participar da São Silvestre. Os atletas não pouparam esforços para aprimorar-se nos treinamentos, como forma de surpreender adversários fortes. Para quebrar a série de vitórias internacionais que segue desde 1998 ? o último brasileiro a ganhar foi Emerson Iser Bem em 1997 ? valeu até recorrer a uma temporada internacional de treinos sob efeito da altitude. ?Acho que será uma surpresa, se não tivermos brasileiros no pódio?, disse Marilson dos Santos, de Brasília, vice-campeão no ano passado. Apesar de estar se preparando para buscar o índice olímpico para a maratona de 2004, o corredor diz que nunca esteve tão bem preparado para a São Silvestre e acredita na possibilidade de vitória nacional na prova. ?Acho que os quenianos são os melhores corredores do mundo, mas quando a prova é no Brasil a coisa fica bem mais equilibrada.? Para incrementar sua preparação, uma temporada em Campos do Jordão tranqüilizou aqueles que temiam por problemas por causa de contusão no tendão de Aquiles que o impediu de participar da prova de São Silveira, em Barueri, depois de vencer a prova Gonzaguinha, em Santos. ?Preferi não forçar para não agravar a lesão.? Já o mineiro Franck Caldeira recorreu à altitude dos 2.600 metros de Cochabamba, na Bolívia, para reforçar sua preparação. Por isso, está otimista. ?Os quenianos são bons mas não invencíveis.? Outro brasileiro que vai lutar por pódio, o paranaense Rômulo da Silva foi para Taipa (Colômbia) para treinar a 3.000 metros. ?Sinto que estou na melhor forma e posso surpreender.? No feminino, Maria Zeferina Baldaia, campeã de 2001, diz que não vai correr no ponto ideal, uma vez que ainda se recupera de forte anemia, que a obrigou a ficar sete meses fora das competições. Mesmo assim confia na preparação feita na Bolívia. Já Sirlene Pinho, campeã da Gonzaguinha, diz que está lidando com a situação nova de atuar como favorita ao pódio. ?Há dois dias estava mais nervosa, mas conversei com o meu técnico e com outras competidoras, como a Zeferina, e estou bem.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.