Brasileiros vão bem e garantem classificação no surfe na Austrália

Adriano de Souza, Filipe Toledo e Jadson André estão na 3ª fase

Felippe Scozzafave, O Estado de S. Paulo

05 de abril de 2015 | 00h03

A noite de sábado (manhã de domingo na Austrália) foi especial para o surfe brasileiro. Três dos seis brasileiros em disputa venceram suas baterias e se classificaram para a terceira rodada da etapa de Bells, na Austrália, a segunda do circuito mundial de surfe. O destaque do dia ficou com Filipe Toledo, atual líder da temporada, que, com um 9,17, conseguiu uma das notas mais altas da segunda fase.

O primeiro brasileiro a brilhar nas águas australianas foi Adriano de Souza, o Mineirinho, que competiu contra o experiente norte-americano C.J. Hobgood. A disputa foi equilibrada do início ao fim e o brasileiro, insatisfeito com as notas dadas pelos juízes, deixou o mar antes do fim da bateria. Antes disso, porém, ele conseguiu uma nota 8,67, que, somada ao seu 7,60, somou 16,27, superando os 15,54 do norte-americano.

Após a confirmação de sua vitória, mais tranquilo, o brasileiro explicou a explosiva reação, citando Ricardo dos Santos, surfista brasileiro que foi assassinado no mês de janeiro. "Estava um pouco chateado porque achei que surfei muito bem e as notas não estavam à altura do que surfei. Isso também aconteceu na primeira fase, quando achei que surfei muito bem contra o Brad Simpson. O meu anjo, o Ricardo do Santos, mandou a onda para mim e surfei. Achei que fosse se repetir isso, mas no final os juízes deram a nota que eu merecia. No final tudo deu certo".

O segundo brasileiro a ir para a água foi Filipe Toledo, campeão da primeira etapa do circuito, que competiu com o havaiano Dusty Pane. Felipinho assumiu a liderança da disputa ainda no início, com um 7,50 em uma onda em que colocou muita velocidade. O melhor, porém, estava por vir: em uma mesma onda, ele deu dois aéreos, um deles de 360º e várias batidas para, além de levar o público ao delírio, receber uma nota 9,17. O havaiano ainda tentou reagir, mas não evitou a classificação de Felipinho.

Depois de confirmada a sua vaga na terceira fase, o brasileiro de apenas 19 anos, atualmente utilizando a camisa amarela, que indica o líder da atual temporada, não escondeu a felicidade por viver um momento especial na carreira: "Esse ano começou diferente para mim. Foi muito especial vencer a primeira etapa. Estou muito confiante. Na primeira fase, o mar estava complicado, mas agora eu consegui mostrar meu surfe. O mar está pequeno, mas deu para fazer algo grande. Estou amarradão por ter tirado uma nota 9 e ter avançado".

A oitava bateria marcou a primeira eliminação de um brasileiro em Bells, mas também a classificação de outro, já que a disputa era entre os compatriotas Jadson André e Miguel Pupo. No final, melhor para o primeiro, que, com ondas bem menores do que no início do dia, somou 12,33 pontos. o panorama foi parecido com a bateria de Wiggolly Dantas, que, sem conseguir grandes ondas, foi superado pelo australiano Matt Banting.

Na décima segunda e última bateria, o brasileiro Ítalo Ferreira, estreante no circuito em 2015, não teve muitas chances com o havaiano Sebastian Zietz, que liderou a bateria do início ao fim e, com uma soma de 17,24 pontos, foi o último surfista a garantir vaga na terceira fase da competição, que deve continuar neste domingo.

Os outros classificados do dia foram Mick Fanning, Taj Burrow, Keanu Asing, Kolohe Andino, Adam Melling, Matt Wilkinson e Fred Patacchia. Eles se juntam a Kelly Slater, Josh Kerr, Joel Parkinson, Owen Wright, Mason Ho, Brett Simpson, Julian Wilson, Nat Young, Jordy Smith, John John Florence, Jeremy Flores e ao brasileiro Gabriel Medina, que, após vencerem a primeira rodada, já se garantiram na terceira fase.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.