Brasileiros vão bem no Havaí, mas Kelly Slater continua insuperável

Americano faz história e vence primeira etapa do circuito nas ondas gigantes de Pipeline

Lucas Gamboa, O Estado de S. Paulo

06 de fevereiro de 2014 | 13h52

SÃO PAULO - Os brasileiros Wiggolly Dantas e Adriano de Souza, o "Mineirinho", chegaram à final da primeira etapa de 2014 do circuito mundial de surfe profissional, mas não foram páreos para o americano Kelly Slater. O Volcom Pro Pipe 2014, disputado na lendária onda de Pipeline, no Havaí, teve tubos perfeitos atingindo 12 pés, e o americano, que garantiu duas boas ondas logo no início da bateria final, só teve de administrar o resultado para conquistar o torneio cinco-estrelas da ASP, a Associação dos Surfistas Profissionais.

Slater abriu a sessão com um tubo espetacular e animou os jurados, que lhe deram nota 9.53 - reflexo de sua performance ao longo de toda a competição. Soberano nos tubos apertados de Pipeline, conseguiu a única nota 10 do evento. Além do título, o americano de Cocoa Beach tirou quatro das cinco maiores notas da competição (10, 9,83, 9,77 e 9.73). Nos momentos finais da decisão, o paulista Wiggoly Dantas reagiu e conseguiu tomar o segundo lugar do havaiano Mason Ho, enquanto Adriano de Souza só conseguiu uma onda e fechou na quarta colocação.

O torneio, que tem premiação total de US$ 130 mil (R$ 298 mil), é tido como um evento extra voltado para os surfistas havaianos, como a qualificação oficial para o Pipe Masters, que ocorre em dezembro, também em Pipeline. Os oito havaianos melhores colococados nessa competição garantem participação na cobiçada etapa do Masters.

RESULTADO DO VOLCOM PIPE PRO

Final: (1º colocado, 2000pts; 2º colocado , 1500pts; 3º colocado, 1125pts; 4º colocado, 984pts)

1º Kelly Slater EUA 15.70

2º Wiggolly Dantas BRA 13.77

3º Mason Ho HAV 11.50

4º Adriano de Souza BRA 10.70

 

Tudo o que sabemos sobre:
SurfeKelly SlaterAdriano de Souza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.