Bravo Corinthians pontua no Rio

Mesmo com um jogador a menos na segunda etapa, time consegue suportar a pressão do Fluminense: bom 1 a 1

Fabio Hecico, O Estadao de S.Paulo

04 de outubro de 2007 | 00h00

Guerreiro, e desta vez com sorte,o Corinthians trouxe um empate valioso do Rio, no 1 a 1 com o Fluminense, ontem à noite,no Maracanã. Não que o ponto sirva para tirar o time da zona de rebaixamento,na qual segue na 18ºcolocação,mas pela circunstância no encontro. Após bom primeiro tempo, o time sofreu demais na etapa final,principalmente após a expulsão do meia Ailton, aos 22 minutos. A sexta derrota seguida só não veio por que, aos 47 minutos, Adriano Magrão bateu, o goleiro Felipe desviou, a bola bateu na trave e não entrou. "A sorte está começando a mudar. Aprova foi esse lance", festejou o camisa 1. O Corinthians não somava um ponto no Brasileiro fazia 28 dias.Como retrospecto negativo, entrou em campo com quatro mudanças, entre elas, a ausência de Vampeta, no banco de reservas. "Não tenho vaidades, estou aqui para ajudar o time.E se precisar entrar, vou dar tudo, pode acreditar", afirmou. Mesmo no banco,teve seu nome cantado, assim como os outros companheiros. Apoio mesclado com pequena dose de cobrança." Raça timão,você é tradição", gritavam os poucos aventureiros que encararam mais de seis horas de estrada para apoiar o time no Rio. Zelão,o substituto de Vampeta, estava esbanjando confiança por um triunfo, após ver o Corinthians, por cinco rodadas, só amargando derrotas. "Hoje vamos ganhar, de 1 a 0 ou mesmo meio a zero", dizia. Além de Zelão, o técnico Nelsinho Baptista optou por dar nova chance ao zagueiro Fábio Ferreira, ao volante Carlos Alberto e ao meia-atacante Ailton. Ao lado de Betão,os zagueiros formaram o trio defensivo que iniciou, e muito bem, o Campeonato Brasileiro. No Fluminense, mais uma vez o meia Thiago Neves esteve ausente. Sem renovar contrato, o técnico Renato Gaúcho optou por não escalá-lo. A direção Do clube carioca acredita em renovação após aumento da proposta, mas terá de convencer a indignada torcida. "Thiago no Flu, só o Thiago Silva. Fora Thiago Neves, mercenário, ingrato e traidor", trazia a faixa. O remodelado Corinthians até começou bem, indo para o ataque apesar do esquema teoricamente mais defensivo. Tocava, tocava, mas chutar... Resultado: levou um susto com Thiago Silva - Felipe espalmou - e, após falha de Carlos Alberto, saiu em desvantagem, com chute certeiro de Alex Dias. Saiu atrás no placar como nas cinco derrotas anteriores. Teria, desta vez, forças para reagir? Zelão,antes de a primeira etapa ser encerrada, mostrou para o corintiano que sim, ao acertar a cabeçada: 1a 1. "Estamos bem, se mantivermos a mesma pegada e a vontade permanecer, vamos conseguir nossa vitória", disse o zagueiro. A alegria, algo raro no clube, ontem era evidente no intervalo."Começamos bem, só faltam os gols", falou Iran."O time está muito bem", disse Felipe. O sentimento mudou na etapa final. O Fluminense partiu para cima, sufocou, criou chances, e só não venceu pelas boas intervenções de Felipe ou pela ajuda da trave, no último lance."O momento é de exaltar a garra. Há três dias, a bola batia na trave e entrava", disse Betão.Será que esta sorte estará do lado do Corinthians domingo,no clássico com o líder São Paulo?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.