Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

AO VIVO

Confira tudo sobre a Copa do Mundo da Rússia 24 horas por dia

Juiz Marcelo Bretas decreta prisão preventiva de Carlos Arthur Nuzman

Decisão coloca presidente do Comitê Olímpico do Brasil em custódia fechada

Constança Rezende e Marcio Dolzan / RIO, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2017 | 19h01

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, acatou pedido do Ministério Público Federal (MPF) e converteu a prisão temporária de Carlos Arthur Nuzman em prisão preventiva, quando não há prazo para terminar. Bretas também determinou a prorrogação da prisão temporária de Leonardo Gryner, apontado como braço direito de Nuzman.

+ Polícia de Genebra apreende ouro de Nuzman e confirma 'vários quilos' 

No pedido, o MPF destacou que “a ocultação do dinheiro ilícito produzido pela corrupção sistêmica” perduram até hoje. Na deflagração da Operação Unfair Play, os procuradores apontaram para a ocultação de bens de Nuzman, incluindo 16 barras de ouro depositadas em um cofre na Suíça.

Os procuradores também alertaram que Nuzman continuava a atuar em benefício próprio, usando os instrumentos do Comitê Rio-2016, do qual também é presidente, bem como sua influência sobre as pessoas que lá trabalham. Eles citaram um e-mail do cartola datado de 25 de setembro deste ano – portanto, após deflagração da operação –, em que ele determinava “urgência” no pagamento do escritório Nelio Machado Advogados, que atua em sua defesa.

O pagamento solicitado era de R$ 5,5 milhões, mas o Estado apurou que a liberação do montante não foi autorizada por não passar pelas regras de governança do comitê. O Rio-2016 tem dívidas na casa dos R$ 100 milhões.

O MPF também pediu a prorrogação da prisão provisória de Leonardo Gryner, que também está preso desde quinta-feira passada. Ele é apontado pelos investigadores como “braço direito” de Nuzman, e divide a cela com o dirigente na cadeia de Benfica, onde estão confinados os investigados na Lava-Jato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.