Brilho de Nadal é posto em dúvida com suspeita de doping

A suspeita jogada em cima do tenista espanhol Rafael Nadal de uso de doping (EPO - eritropoietina) lançada, sem comprovação, nesta segunda-feira, pelo periódico francês Journal du Dimanche, causou indignação nos espanhóis. O jogador aparentemente deu de ombros para a denúncia e não comentou o assunto, enquanto seu tio e treinador, Tony Nadal, garantiu que não há nada a temer e que está de "mãos limpas". A dúvida levantada pelo jornal francês - e que na verdade sempre causou desconfiança no mundo do tênis - é a de que seria impossível um atleta ter braços e pernas tão fortes e ágeis sem o uso de drogas. A justificativa da equipe de Nadal é simples e natural: tanto seu tio, Tony, como seu pai, Sebastien, são fortes e atléticos e jamais sequer sofreram suspeitas de uso de drogas. Nadal apareceu muito cedo no circuito profissional. Já com 17 anos, alcançou resultados surpreendentes, mas, de repente, desistiu, por exemplo, de jogar em Roland Garros por causa de uma lesão. Em alguns meses, retornou às quadras com um físico invejável e seu bíceps sempre chamou muito a atenção. A denúncia do jornal francês por uso de EPO - droga não detectada na urina, apenas em exames de sangue - atingiu também outros dois jogadores espanhóis, Juan Carlos Ferrero e Alex Corretja. Para o ex-campeão de Roland Garros, Ferrero, não há fundamento no que o jornal publicou e o tenista ficou agressivo na resposta. ?Gostaria de ter pela frente a pessoa que escreveu o artigo?, contou. ?Quando fui número 1 do mundo, passei por mais de 25 exames antidoping em apenas um ano, e jamais com resultado positivo?.

Agencia Estado,

30 Maio 2006 | 16h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.