Frederic J. Brown/AFP
Frederic J. Brown/AFP

Britânicos rejeitam sugestão de Blatter para punir Gareth Bale

Jogador cortado da seleção de futebol por causa de uma lesão disputou partida pelo Tottenham

AE-AP, Agência Estado

26 de julho de 2012 | 11h52

LONDRES - O líder do movimento olímpico britânico e Joseph Blatter, presidente da Fifa, apresentaram opiniões opostas ao realizarem comentários sobre a possibilidade de Gareth Bale receber uma punição por ter deixado a seleção britânica de futebol que vai participar dos Jogos de Londres alegando uma lesão. Nesta semana, o jogador disputou uma partida da pré-temporada do Tottenham.

O presidente da Associação Olímpica Britânica, Colin Moynihan, disse nesta quinta-feira discordar de declarações de Blatter, que defendeu uma suspensão de Bale. O jogador, de 23 anos, deixou a seleção olímpica em razão de uma lesão nas costas, mas disputou uma partida na Califórnia nesta semana e fez, de cabeça, o gol do Tottenham no empate por 1 a 1 com o Los Angeles Galaxy.

"Eu entendo que algumas pessoas estão perturbadas pela sua ausência", disse Moynihan. "Mas eu penso diferente. Me satisfaz que tenha se recuperado de sua lesão antes do previsto. Não concordo com o que disse Sepp Blatter sobre uma suspensão. Acho que Sepp deve olhar mais de perto a equipe britânica".

Na quarta-feira, Blatter havia sugerido que a Fifa poderia punir Bale caso recebesse um pedido. "Se um clube não cede um jogador, a associação (nacional) pode acionar a Fifa e o suspenderemos durante a Olimpíada", disse. "Até agora ninguém nos contactou, mas há a possibilidade de que suspendamos jogadores que não estão disponíveis para as seleções", completou.

As autoridades britânicas disseram que não pensar em pedir uma ação da Fifa.

"Inicialmente pensamos que Gareth estaria de volta para a nossa partida de sábado em Baltimore, mas se recuperou mais rápido do que o previsto", disse o Tottenham, no seu site oficial.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.