Britânicos vão à CAS para punir doping com mais rigor

A Associação Olímpica da Grã-Bretanha (BOA, na sigla em inglês) entrou com recurso na Corte Arbitral do Esporte (CAS), instância máxima da justiça desportiva mundial, para tentar punir os casos de doping com mais rigor. Com a ação, a entidade tenta validar a regra que permite banir da disputa dos Jogos Olímpicos os atletas britânicos que forem flagrados no exame antidoping - essa punição foi vetada pela Agência Mundial Antidoping (Wada).

AE-AP, Agência Estado

13 de dezembro de 2011 | 14h11

No mês passado, a Wada determinou que a regra britânica é uma segunda punição ao atleta dopado, atém da própria suspensão máxima de dois anos, e, por isso, vetou que tal medida fosse adotada e permitida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Mas a BOA entende que seu regulamento está relacionado com elegibilidade, não sendo, portanto, uma nova pena.

Diante disso, a BOA entrou nesta terça-feira com recurso na CAS, esperando que o tribunal tome uma decisão até abril de 2012, resolvendo o impasse antes da realização da Olimpíada de Londres, marcada para começar em 27 de julho. "A grande maioria dos atletas britânicos, do presente e do passado, apoia essa política de seleção e nos encoraja a defendê-la", diz o comunicado da entidade.

"A BOA e os atletas olímpicos britânicos entende que aqueles que tentaram trapacear deliberadamente não deveriam representar a Grã-Bretanha nos Jogos Olímpicos", afirmou o presidente da entidade, Colin Moynihan. "Essa política de seleção é uma expressão direta do comprometimento dos atletas britânicos com o jogo limpo, a integridade e a competição justa, valores que são o coração do esporte olímpico."

Tudo o que sabemos sobre:
OlimpíadaCASdoping

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.