Bronze envergonhado

Abatida, seleção vence Bélgica e leva prêmio de consolação

O Estadao de S.Paulo

23 de agosto de 2008 | 00h00

Quando o juiz austríaco Thomas Einwaller apitou o fim do confronto com a Bélgica, os jogadores da seleção brasileira fizeram a menção de sair logo do campo, como fazem nas partidas. No mesmo momento, Lucas - que não jogou por estar suspenso, mas teve acesso ao banco de reservas - começou a abraçar todos que via pela frente. O técnico Dunga, o auxiliar Jorginho... Em seguida, entrou em campo para cumprimentar os colegas.Foi quando "caiu a ficha" dos outros jogadores, que começaram a se abraçar pela vitória por 3 a 0 que garantiu ao Brasil o bronze na Olimpíada de Pequim. Não era, claro, a medalha que queriam, por isso a frieza inicial. Mas, depois de um mês de trabalho e da saraivada de críticas após o fiasco contra a Argentina, os jogadores encontraram um motivo para pelo menos terminar com vitória a participação nos Jogos de Pequim."Era uma questão de honra??, definiu o meia Diego. "Foi uma honra fazer dois gols e ajudar a seleção a conquistar esse bronze??, acrescentou o atacante Jô.A medalha foi garantida numa partida em que o Brasil foi bem no primeiro tempo, mal no segundo, levou alguns sustos e voltou a ser vaiado por conta da insistência em tocar bola no campo de defesa. Mas a vitória foi tranqüila: Diego abriu o caminho ao concluir cruzamento de Rafinha e Jô fez 2 a 0 ao aproveitar o rebote do goleiro num chute de Ramires, em lance que começou com Ronaldinho Gaúcho. Já no final da partida, Jô, numa arrancada desde o meio-de-campo, marcou o terceiro. Houve ainda um gol de Ronaldinho Gaúcho, anulado por impedimento.O esforço para valorizar o terceiro lugar foi coletivo. "O bronze também tem muito valor??, repetia Ronaldinho Gaúcho. "Essa medalha vai ajudar o Brasil na classificação geral. É importante, sim??, considerou o lateral-esquerdo Marcelo. "É a quarta vez que o Brasil ganha medalha no futebol masculino??, ressaltou o técnico Dunga.O bronze de ontem junta-se ao ganho em Atenas-1996 e às pratas de Los Angeles-1984 (que Dunga conquistou como jogador) e Seul-1988.Apesar do discurso sobre a importância do bronze, existe a expectativa para saber como estará o ânimo deles hoje, na cerimônia de premiação marcada para o Ninho de Pássaros, em Pequim, logo após a decisão entre Argentina e Nigéria. O Brasil vai estar no lugar mais baixo do pódio, posição que deve causar algum desconforto, principalmente se os argentinos estiverem no lugar mais alto.Mas é certo que a medalha de bronze será o único prêmio que eles levar da China. Na semana passada, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, avisou que apenas o ouro valeria prêmio em dinheiro. O critério foi o mesmo para a seleção feminina, que também voltará de mãos vazias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.