Bruno e Clarisse seguem no hospital sob observação

O acidente de automóvel na Rodovia Régis Bittencourt que matou e interrompeu a carreira do goleiro do São Paulo, Weverson, e da jogadora de vôlei da Finasa/Osasco, a oposta Natália, ainda tem conseqüências para três outros jovens atletas que sofreram ferimentos graves. O goleiro Bruno permanece internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Luiz, e corre risco de seqüelas que comprometam sua carreira. A oposta Clarisse foi submetida a cirurgia para remodelar o formato do rosto. A meio-de-rede Paula teve alta hospitalar domingo e segue em tratamento na casa dos pais, em Jundiaí.O médico do time de Osasco, Laércio Ricco, disse que Clarisse, de 19 anos, deixou a UTI do Hospital Edmundo Vasconcellos, no Ibirapuera, nesta segunda e foi transferida para o quarto. Clarisse, que voou para fora do carro com o impacto da batida, teve um afundamento grave na mandíbula e foi submetida a uma reconstrução cirúrgica facial domingo. ?Recebeu uma placa de titânio para remodelar o formato do rosto. Tem condição clínica estável, apesar de ainda apresentar pequeno sangramento e sentir dores fortes?, explica o médico.Paula, 18 anos, sofreu uma contusão no globo ocular e fratura em vértebra. Em casa, segue o tratamento com medicamentos para reduzir hematomas e dores. ?O rosto dela ainda está muito marcado?, afirma Ricco. Paula chora muito, não lembra detalhes do acidente e não fala com jornalistas.O jogador do São Paulo, Bruno Landgraff das Neves tem, que dirigia o Golf prata, tem estado clínico estável, segundo o boletim hospitalar. Mas necessita de aparelhos para respirar e permanece sedado. O atleta entrou no hospital sexta-feira apresentando contusão pulmonar e dificuldade de movimento nas pernas, por luxação da coluna cervical. Passou por cirurgia no mesmo dia, para descompressão medular e fixação da coluna cervical.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.