Bubka: destaque agora fora das pistas

Uma das principais atrações no Mundial Juvenil de Atletismo, em Kingston, está fora das pistas. O ucraniano Sergey Bubka chama a atenção por onde passa na cidade. É membro do Conselho da Associação Internacional de Federações de Atletismo (Iaaf) e está na Jamaica como dirigente. Sua fama vem de uma brilhante carreira no salto com vara, prova que exige coragem e habilidade, uma das mais técnicas e difíceis do atletismo. Bubka, aos 39 anos, vive parte do ano em Donetsk, na Ucrânia, e outra em Mônaco, ainda é o recordista mundial da prova, mas acha que ?um dia, certamente, alguém vai saltar mais alto??. Mas não arrisca dizer quem são os candidatos à façanha e nem quando isso ocorrerá.Bubka é o recordista mundial indoor com 6,15 m e outdoor com 6,14 metros. Seus saltos já foram comparados com carros empilhados e andares de prédios. Colecionou 35 recordes mundiais, seis títulos de campeão mundial e uma medalha de ouro olímpica, entre 1983 e 2000. ?Eu sei que algum dia alguém saltará mais alto, mas isso não depende só de talento. É preciso um trabalho muito duro, seis, sete horas de pratica todos os dias, e experiência??, ressalta Bubka, admitindo que países em desenvolvimento, como o Brasil, têm mais dificuldades para se destacar em uma prova que exige tanta técnica e equipamentos sofisticados ? colchão, postes, sarrafos e as varas, claro, cada uma a um custo de cerca de US$ 350.Brasil - O ex-saltador, hoje técnico brasileiro, Elson Miranda, um obstinado pelo salto com vara, tem orgulho de ter os melhores atletas da prova. Mede sua vivência no salto pelo número de varas que acumulou na carreira, uma ?pequena fortuna?? investida nas 40 varas que possui hoje, para seus atletas, da BM&F Atletismo, treinarem, no Ibirapuera (SP).Elson observa que o trabalho no Brasil resume-se, basicamente, a essa equipe, de dez atletas. ?O salto exige velocidade, força e coragem para voar a 5 metros do chão envergando uma vara.?? Ele fica feliz em ter conseguido trazer dois atletas para o Mundial Juvenil, Karla Rosa da Silva e Fábio Gomes da Silva, que fará a final da prova neste domingo, a partir das 20 horas (horário de Brasília).O Brasil passou a adotar a técnica de saltos de Bubka desde que Vitaly Petrov, seu treinador, foi a São Paulo ? duas vezes ? para clínicas. Sergey Bubka acha positivo o trabalho de Petrov. ?Tenta estimular o desenvolvimento da prova no mundo.?? Mas frisa que os países precisam trabalhar sério para formar atletas nessa prova. ?A Rússia mantém sua tradição.??

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.