Cabeça de Cuca a prêmio na Vila

Treinador só será mantido no cargo se o Santos superar o Sport

Sanches Filho, O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2008 | 00h00

A sobrevida de Cuca no cargo de técnico do Santos estará em jogo contra o Sport hoje, às 16 horas, na Vila. Até com novo empate em casa a diretoria não terá como segurar o treinador. Ele foi convencido pelo presidente Marcelo Teixeira a desistir do pedido de demissão, após a derrota por 3 a 0 para o Figueirense, na quarta-feira, em Florianópolis. Mas, em caso de novo resultado negativo, sua situação ficará insustentável.Para agravar o momento tenso que o Santos vive, na sexta-feira Cuca perdeu Rodrigo Souto. O volante teve ratificada pela Fifa a suspensão de dois anos que a Conmebol lhe havia imposto porque deu positivo o exame antidoping a que se submeteu depois de jogo contra o San José, pela Libertadores. Fábio Costa, com estiramento muscular, também está fora.Para salvar seu pescoço, Cuca apela para os jogadores mais experientes. Tudo para suportar provável pressão da torcida, se demorar a sair gol. A saída é recorrer ao paraguaio Cuevas e ao goleador Kléber Pereira, confirmados. Ao mesmo tempo, para evitar gols, Cuca confirmou esquema com três zagueiros. "Meu sentimento é de quem deve e sabe que vai pagar. Nada de devo não nego, pago quando puder", filosofa o treinador. "Começo a pagar essa dívida com o torcedor já contra o Sport."São oito jogos sob seu comando e nenhum triunfo. Mas o técnico usa como exemplos as reações históricas de Goiás e Flamengo, no torneio nacional de 2003 e 2007, respectivamente, para mostrar que o drama é passageiro. A trajetória de insucessos do time, porém, lembra mais o roteiro da queda corintiana no ano passado.Enquanto Cuca parece perdido com uma equipe que se afunda cada vez mais, Marcelo Teixeira sentiu de perto o tamanho da crise. Foi na própria quarta-feira. Depois do fiasco em Santa Catarina, restou ao dirigente insistir para que Cuca continuasse pelo menos até o jogo de hoje, aparentemente mais fácil do que contra Grêmio e Botafogo, os últimos feitos em casa. Além disso, percebeu que nada de efetivo poderia ser feito entre quinta-feira e hoje.Apesar do risco de os jogadores terem perdido a confiança no trabalho de Cuca, o cartola passou aos torcedores mensagens de otimismo. Resignadas, as organizadas poupam Cuca e miram alguns atletas. Na época de Leão, o quadro era de apreensão e tensão. Agora, é de desespero.RIVAL NA RETRANCAO Sport se destacou na campanha do título da Copa do Brasil por conseguir bons resultados em casa. Fora, o técnico Nelsinho Baptista apostava na retranca, para segurar os adversários. Obteve sucesso em vários jogos. Por isso, repete a fórmula no duelo desta tarde.Na tentativa de segurar o rival, em crise, o treinador usará três zagueiros. Mas, de última hora, perdeu logo o líder defensivo: o capitão Durval sentiu-se mal antes do embarque para São Paulo, na sexta-feira, e ficou no Recife. César, que se destacou defendendo a Portuguesa, será o substituto. Ele formará o trio defensivo ao lado de Gabriel e Igor.Na frente, mais mudança. Mal fisicamente, Leandro Machado dá lugar a Roger, que fará dupla com Carlinhos Bala.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.