Reprodução/Arquivo Pessoal
Reprodução/Arquivo Pessoal

Cabo da PM e ex-atleta olímpico Mário Sabino é morto por sargento em São Paulo

Sabino foi assassinado pelo sargento Agnaldo Rodrigues do Centro de Operações Militares da Polícia Militar (Copom), que teria se suicidado em seguida

Clara Rellstab, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2019 | 09h30

O cabo da Polícia Militar e ex-judoca olímpico Mário Sabino, de 47 anos, foi morto na noite desta sexta-feira, 25, no bairro Jardim Niceia, em Bauru, no centro-oeste do Estado de São Paulo. 

Segundo a PM, informações preliminares apontam que Sabino foi assassinado pelo sargento Agnaldo Rodrigues do Centro de Operações Militares da Polícia Militar (Copom), que teria se suicidado em seguida. As causas da morte e motivação ainda estão sob investigação. 

Na tarde de sexta, o ex-judoca participou de palestra no 2º Simpósio Esportivo no município de Tarumã, também em São Paulo.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Palestra no 2 Simpósio Esportivo em Taruma. Com os empresários Juan e André da FTW suplementos. E com o secretário de esportes Fiico.

Uma publicação compartilhada por Mário Sabino (@mariosabinojr) em

O ex-atleta representou o Brasil nas Olimpíadas de Sydney, na Austrália, em 2000, e em Atenas, na Grécia, em 2004, além de ter sido auxiliar técnico da delegação brasileira nos jogos de Londres, na Inglaterra, em 2012, e no Rio de Janeiro, em 2016. 

Mário foi medalhista de ouro nos Jogos Pan-americanos de 2003 em Santo Domingo, na República Dominicana, e de bronze no Mundial de Osaka, no Japão, em 2003.

A Confederação Brasileira de Judô (CBJ) lamentou a morte do ex-atleta em nota oficial. "A Confederação Brasileira de Judô expressa seu mais profundo pesar e consternação pela perda repentina e trágica de um judoca, amigo e professor. Mário Sabino Júnior será lembrado para sempre e com carinho por toda a família do judô brasileiro", diz o texto.

Em homenagem póstuma, a CBJ fará um minuto de silêncio na cerimônia de abertura do CBI - Seletiva Nacional Sub-18, que começou neste sábado, 26, em Canoas, Rio Grande do Sul.  

O também ex-judoca e apresentador de televisão Flávio Canto lamentou a morte do colega de delegação nesta manhã, em seu perfil no Instagram. “Sem palavras ainda. Nosso amigo de tantas lutas partir desse jeito”, escreveu.

A nadadora brasileira Joanna Maranhão também prestou condolências nas redes sociais. “Ele era realmente tudo que as pessoas sempre diziam. Uma pessoa doce, vai fazer muita falta!”, disse, em post no Twitter. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.