Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Cabral diz que Júlio Delamare não será mais demolido

Governador cedeu à pressão de manifestantes, que pediam a preservação do centro aquático

TIAGO ROGERO, Agência Estado

29 de julho de 2013 | 16h29

RIO - Um dos principais alvos dos protestos no Rio, o governador Sérgio Cabral (PMDB) anunciou nesta tarde de segunda-feira, por meio de sua página no Twitter, que o parque aquático Júlio Delamare não será mais demolido. A destruição do centro esportivo estava prevista no contrato de concessão assinado entre o governo e o Complexo Maracanã, grupo que venceu licitação para administrar o estádio pelos próximos 35 anos.

No Twitter, Cabral escreveu que tem "ouvido muitas manifestações em defesa da permanência do parque aquático no complexo do Maracanã". O governador disse ter ligado para o presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), Coaracy Nunes Filho. "Disse ao Coaracy Nunes que refleti sobre o Júlio Delamare", escreveu Cabral. "Coaracy me disse que o governo com isso estaria atendendo à natação brasileira. Diante disso, o Júlio Delamare está mantido". Nos últimos meses, o presidente da CBDA havia feito duras críticas ao governador, por conta da demolição anteriormente prevista para acontecer.

Sobre o estádio de atletismo Célio de Barros, Cabral afirmou ter marcado para quarta-feira uma "conversa" com o presidente da Federação de Atletismo do Rio, Carlos Alberto Lancetta. O governador disse ter ligado para o dirigente. "Disse a ele que desejo encontrar a melhor solução para o atletismo do Rio", escreveu Cabral.

O Célio de Barros faz parte do complexo esportivo do Maracanã e já começou a ser demolido. A pista de atletismo, por exemplo, já não existe mais. Na reforma do Maracanã (que chegou na semana passada a quase R$ 1,2 bilhão gastos por meio de recursos públicos), o Célio de Barros foi usado como canteiro de obras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.