Suzanne Plunkett
Suzanne Plunkett

Cameron aposta na Olimpíada para recuperar economia

Primeiro-ministro sofre pressão para afastar a crise que atinge a Grã-Bretanha

MOHAMMED ABBAS, Reuters

26 de julho de 2012 | 09h41

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, exortou os líderes de negócios de todo o mundo reunidos em Londres nesta quinta-feira, véspera da Olimpíada, a investir na Grã-Bretanha, um dia após dados mostrarem que a economia está pior do que anteriormente se previa.

Cameron sofre pressão para mudar a sorte da Grã-Bretanha, e os dados da quarta-feira mostraram que a economia encolheu muito mais do que o esperado no segundo trimestre, assolada por fatores que vão de um feriado adicional à crise na zona do euro.

Falando em uma cúpula de comércio e investimento concebida para usar os Jogos de 27 de julho a 12 de agosto como incentivo aos negócios, Cameron reiterou seu compromisso em cortar o déficit orçamentário e recolocar nos trilhos a economia combalida pela recessão.

"Sim, quero medalhas para a Grã-Bretanha. E não haverá apoiador mais apaixonado da delegação britânica do que eu. Mas tenho um trabalho a fazer neste verão (no hemisfério norte), e uma grande parte dele é apoiar os negócios britânicos", declarou.

Cameron tentou evitar os pedidos para alterar o plano de austeridade de sete anos de seu governo após os dados de quarta-feira, e garantiu aos dignitários reunidos que a redução do déficit continua no topo de sua agenda.

"Tomamos decisões ousadas para tratar de nossas finanças públicas e ganhar a credibilidade dos mercados, e minha mensagem hoje é clara e inequívoca. Não tenham dúvida: vamos seguir em frente e terminar o trabalho", acrescentou.

Ele ainda reafirmou seu compromisso de melhorar a regulação do setor bancário britânico, cuja reputação foi abalada por um escândalo de manipulação de taxas de empréstimo nas últimas semanas.

Os delegados na cúpula de comércio e investimento, a primeira de 17 planejadas para coincidor com a Olimpíada, incluem a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, e líderes de multinacionais, como Eric Schmidt, CEO do Google, e Vittorio Colao, executivo-chefe da Vodafone.

A Grã-Bretanha espera selar acordos de 1 bilhão de libras (cerca de 1,5 bilhão de dólares) com negócios que capitalizarão os Jogos.

O governo também anseia em aplacar os críticos da Olimpíada que dizem que o evento é caro demais em um momento de finanças públicas sob estresse, ressaltando as oportunidades de negócio da ocasião e do uso dos locais de competição após o final do evento.

Autoridades britânicas dizem que os Jogos custarão 9,3 bilhões de libras (14,5 bilhões de dólares), e Cameron e outros dizem que, apesar do evento, um plano de austeridade fiscal é essencial para a Grã-Bretanha manter a confiança dos mercados e manter o custo de seus empréstimos baixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.