Caminho do ouro de Ricardo-Emanuel começa com vitória arrasadora

Ainda que mantenham o discursode cautela, Ricardo e Emanuel estão entre os brasileiros que sódeixarão o Pan-Americano do Rio de Janeiro com o sentimento dedever cumprido se conquistarem a medalha de ouro. A estréia,nesta terça-feira, foi um atropelamento em 31 minutos sobre osrepresentantes colombianos. Atual campeã mundial e olímpica, a dupla abriu mão de umaetapa do Circuito Mundial para disputar o Pan pela primeira veze já entrou em quadra um dia após desembarcar da Europa. Masnem todo o cansaço da viagem fez com que os brasileirostivessem alguma dificuldade contra Rafael Cabrales e DiegoNaranjo, que foram derrotados por 21-6 e 21-14 na Arena dapraia de Copacabana. "Quando cheguei estava muito ansioso para jogar, eu nuncatinha disputado um Pan-Americano antes, mas gostei muito dessaexperiência", disse após a partida Emanuel, que abriu mão dedisputar o Pan de Santo Domingo, em 2003, para seguir noCircuito Mundial, que classificava para a Olimpíada de Atenas,onde conquistou o ouro. "Eu até dava umas olhadas para a arquibancada de vez emquando para ver a reação da torcida e fiquei muito contente porestar jogando aqui," acrescentou. Se os brasileiros estão entre os melhores do mundo, dooutro lado da quadra a dupla colombiana disputava sua primeiracompetição internacional. Rafael é professor universitário deeducação física, e Diego divide seu tempo entre a faculdade depsicologia e o emprego na área pública de saúde. Quando aagenda de ambos coincide, aí sim eles se reúnem para treinar. O nível da partida foi tão fraco que os jogadoresbrasileiros ainda treinarão esta tarde para manter o ritmoexigido durante a temporada do Circuito Mundial. Eles sabem queno Pan não terão adversários à altura dos que estãoacostumados, até porque as quatro outras duplas que estão noPan e jogam o circuito nunca tiveram resultados expressivos. "Cuba, Canadá, México e Venezuela nós conhecemos porqueelas rodam o circuito, mas os outros adversários serão umasurpresa. Até a dupla dos Estados Unidos nós não conhecemos,mas acreditamos que eles sejam fortes candidatos à semifinalpelo o que conhecemos do vôlei de praia deles", disse Ricardo. "Tomara que as outras surpresas sejam como essa de hoje",acrescentou. Sobre os questionamentos a respeito do amplo favoritismo,Emanuel recusa o rótulo de deus da praia do Pan, como sugere osignificado de seu nome, "Deus conosco". "Isso é demais, eu sou muito mais tranquilo", disse ele."Dentro de quadra eu gosto sempre de vencer, por isso que eusigo vencendo, estou sempre treinando muito para melhorar evencer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.