Camisa azul dá sorte e o líder Palmeiras reencontra a vitória

Na estreia do novo uniforme, time faz 2 a 1 no Inter e volta a se distanciar de rival direto na corrida pelo título

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

23 de agosto de 2009 | 00h00

Tudo azul para o Palmeiras. Na estreia do terceiro uniforme, na cor celeste, em homenagem às origens italianas e com a cruz de Savoia no lugar do símbolo (a família Savoia foi a última da dinastia real italiana), a equipe reencontrou o caminho das vitórias. Atuando no Palestra Itália, diante do Internacional, um rival direto na luta pelo título, venceu por 2 a 1, gols de Obina e Ortigoza contra um de Giuliano, e voltou a abrir vantagem na liderança do Brasileiro.Depois de quatro tropeços seguidos, novamente a torcida pôde vibrar com um resultado positivo. O time dormiu com quatro pontos na frente e hoje dará uma "secada" no São Paulo, vice-líder, diante do Atlético-PR, em Curitiba, para chegar com boa folga ao clássico do próximo domingo, no Morumbi.O gol de Obina, em cobrança precisa de pênalti sofrido por Diego Souza, foi o seu nono no Nacional, um a menos que os artilheiros Marcelinho Paraíba, Adriano e Val Baiano. "Um gol importante. Fui tranquilo para a cobrança e pude tirar do goleiro", afirmou Obina, no intervalo do jogo. "Mas temos de dar os parabéns ao Diego Souza, que fez bela jogada. Agora, é voltar para a fase final e definir."Palavras de um predestinado. Obina, herói em alguns jogos, vilão em outros, sempre se destaca em decisões. Ontem, a bola nem havia rolado para um duelo importante e ele já fazia previsão de que seria sua noite. "Hoje não podemos deixar escapar os pontos. E espero dar minha colaboração", pregou.Estava certo em tudo. Fez um gol e viu Ortigoza comprovar sua profecia do intervalo logo aos dois minutos da fase final, ao chegar na frente do marcador e estufar as redes.Para os mais desavisados, ontem à noite parecia confronto entre Internacional e Cruzeiro. No lugar da tradicional camisa verde musgo, havia um Palmeiras com uniforme azul, lançado para substituir a camisa verde-limão. Roupa diferente, muito bonita e inspiradora.Com o azul da esperança, o Palmeiras começou com tudo, partindo para cima dos gaúchos. Dominava o duelo até Muricy Ramalho ter enorme prejuízo, aos oito minutos. Cleiton Xavier, um de seus craques, torceu o tornozelo ao tentar finalização e teve de ser substituído.Problema que causa preocupação. Ontem, contudo, foi superado com a velocidade de Armero e Ortigoza, a habilidade de Diego Souza, o faro de gol de Obina e o apoio da torcida.Cantando o tempo todo, os palmeirenses viram Marcos ser um espectador quase o jogo todo - sustos só em bola na trave de Andrezinho e no gol de Giuliano, nos minutos finais. E, pela primeira vez em sete jogos sob a direção de Muricy Ramalho, puderam soltar o grito de gol em dose dupla. Bater um rival forte, por 2 a 1, mostra que o Palmeiras segue firme no caminho do quinto Nacional. A rodada ainda teve Santo André 1 x 0 Coritiba e Sport 2 x 0 Vitória.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.