Campeã da São Silvestre cai em antidoping

Na véspera da 79ª edição da São Silvestre, a prova pedestre mais tradicional do País, um caso de doping mobiliza o mundo do atletismo nacional. Marizete Rezende, campeã feminina da edição do ano passado, foi pega no exame antidoping após a vitória na meia maratona do Rio de Janeiro, disputada em agosto. O resultado da contra-prova não foi divulgado, o que não confirma o doping oficialmente. A revelação foi feita, agora cedo, pelo jornal da Rede Globo "Bom Dia Brasil". Segundo as informações, foram detectados nos exames vestígios de uma substância proibida de nome eritropoetina, mais conhecida como EPO. Esta droga tem o poder de controlar a pressão arterial e aumentar o nível de potássio no organismo, aumentando a oxigenação e a resistência física. Esta droga era muito usada em provas de ciclismo na Europa, detectada na tradicional Volta da França de 2001. Machucada, a fundista já tinha comunicado que estava fora da edição da São Silvestre deste ano. Marizete de Paula Rezende é esposa do também corredor Diamantino dos Santos e o casal mora e treina em Araraquara. Segundo Diamantino, a mulher não vai se manifestar enquanto não for notificada oficialmente. Por outro lado, a assessoria de imprensa da Confederação Brasileira de Atletismo confirmou que a entidade não recebeu nenhum comunicado oficial da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo), que entrou em recesso no dia 19 de dezembro e só volta a funcionar dia 5 de janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.