Campeão aos 40, Peter procura ajuda

Peter Venâncio conquistou o título latino-americano dos meio-pesados (até 79,393 quilos), versão Conselho Mundial de Boxe, na madrugada de hoje, no Hotel Unique, ao derrotar Mário Soares, o Marinho, por nocaute técnico no nono assalto, em uma das melhores lutas dos últimos anos do boxe brasileiro. Mas, aos 40 anos, não sabe como vai dar continuidade à sua carreira. "Estou sem empresário. Agora deve aparecer alguém que queira me ajudar. Ainda sonho com o título mundial", afirmou o pugilista, que, em 1997, chegou a disputar o cinturão dos médios com o norte-americano William Joopy. Perdeu por pontos. Apesar de veterano, Peter mostrou ótima forma e dominou o combate, diante do então invicto Marinho, que soma agora dez vitórias (sete por nocaute) e uma derrota. No nono round, Peter colocou Marinho nas cordas e acertou vários golpes, o que obrigou o juiz a paralisar o combate. Com a vitória, Peter mantém a invencibilidade para lutadores brasileiros em uma carreira que começou em 1989. Peter representou o Brasil na Olimpíada de Seul, em 1988, e caiu na segunda rodada. Seu cartel apresenta agora 41 vitórias (31 nocautes), nove derrotas e um empate. A noitada reuniu 1,2 mil pessoas, que pagaram no mínimo R$ 50,00 para assistir a mais seis lutas. Destaque para o médio-ligeiro Anderson Clayton, o Pantera, que venceu por nocaute no 7.º round, o gaúcho Samir Barbosa, treinado pelo ex-campeão mundial Miguel de Oliveira. Ex-internado da Febem, Pantera, de 26 anos, não esteve bem nos seis primeiros assaltos, mas mostrou pegada forte para somar o 19.º nocaute em 22 vitórias. Samir, de 24 anos, perdeu pela primeira vez, após 12 combates. O peso pesado Luizão Aparecido dos Santos manteve o cinturão paulista, ao vencer o argentino Juan Diaz, por pontos, em uma luta equilibrada. Outro pesado, Pedro Otas, flagrado no exame antidoping para os Jogos Pan-Americanos de São Domingos, manteve-se invicto no profissionalismo, ao vencer por nocaute no quarto assalto Valtecir França. O peso médio Juraci Conceição bateu, por pontos, o carioca Adriano Santos. Na luta feminina, Adriana Salles venceu Valéria Rodrigues. VERGONHA - O fato negativo da noite foi a atitude covarde do meio-pesado Marcos Duarte. No segundo round, Duarte, visivelmente tonto, recebia uma seqüência de golpes do carioca Emanuel Davi, quando o combate foi interrompido pelo juiz Norberto Polimeno. Inconformado, Duarte desferiu um soco no rosto do juiz. Será julgado em um prazo de 15 dias e sua pena vai variar de 18 meses de suspensão a eliminação do boxe.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.