Campeão e vice do Brasileiro terão vida dura

No sorteio dos grupos, realizado na sede da Conmebol, em Assunção, Santos e Inter ficam em chaves mais tranquilas

Amanda Romanelli ENVIADA ESPECIAL/ ASSUNÇÃO, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

O campeão e o vice do Campeonato Brasileiro terão de mostrar, em campo, que são de fato os vencedores do torneio mais difícil da América do Sul. Os dois primeiros colocados do Nacional vão enfrentar pedreiras na fase de grupos da Taça Libertadores da América de 2011. Já Santos e Inter, campeão da Copa do Brasil e atual detentor do título continental, não devem encontrar grandes problemas para chegar às oitavas de final, de acordo com o sorteio realizado ontem, na sede da Conmebol, em Assunção. O País ainda terá dois representantes na primeira fase, conhecida como pré-libertadores: o 3.º colocado do Brasileiro (hoje, o Cruzeiro) duela com um time colombiano, enquanto o Brasil 6, que pode ser o Goiás, caso vença a Sul-Americana, ou o 4.º no Brasileiro (atualmente, o Grêmio), joga contra o estreante Liverpool, do Uruguai.

O campeão brasileiro deixou de ser cabeça de chave na próxima Libertadores, vantagem concedida a Santos e Inter. Com isso, formou-se na chave 3 um verdadeiro "grupo da morte". O primeiro do campeonato - hoje, o Fluminense - enfrentará Argentinos Juniors, Nacional e América, do México. Já o vice, lugar ocupado atualmente pelo Corinthians, entrará no grupo 7, considerado o segundo mais complicado. Na chave, estarão Argentina 2 (campeão do Torneio Apertura, atualmente liderado pelo Velez Sarsfield), Paraguai 2 e o vencedor do confronto entre Brasil 5 (o 3.º do Brasileiro, hoje o Cruzeiro) contra uma equipe colombiana na pré-libertadores.

Tranquilidade. Representantes dos times brasileiros que acompanharam o sorteio admitiram que Santos e Inter não terão grandes problemas. Os santistas, alocados no grupo 5, estreiam contra o Chile 2. Em seguida jogam com o Deportivo Táchira (VEN) e com um time vindo do duelo entre Deportivo Petare (VEN) e Paraguai 3. O Inter estreia contra o boliviano Jorge Wilstermann, enfrenta um equatoriano e pode pegar um time do México, pois o Jaguares duela com uma equipe peruana na pré-libertadores.

"Acho que o Santos caiu numa chave até melhor do que o Inter por questões geográficas. Não faremos jogos na altitude e nem em países distantes", afirmou o presidente Luis Alvaro Ribeiro. "Táchira é próximo, perto de Caracas, e no Chile cansamos de ganhar. O Santos teve sorte." Algo que não ocorreu com os outros brasileiros, admite o dirigente santista. "O campeão e o vice brasileiros vão ter uma parada indigesta." Sentado na primeira fila do auditório da Conmebol, ao lado do presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, e do assessor da presidência do Fluminense, Marcelo Penha, Luís Alvaro brincou: "Senti que eles ficaram um pouco desanimados. Talvez devam entregar o campeonato para o Cruzeiro ser o campeão".

Andrés não ficou nada satisfeito com a retirada do campeão brasileiro como cabeça de chave. O corintiano soube da alteração na quarta-feira, durante reunião do Comitê Executivo da Conmebol. Afirmou que não houve possibilidade de contestação do critério. "Vocês não sabem como é a Conmebol? Ela muda e acabou." Andrés lembrou das vantagens de ser cabeça de chave, referindo-se à campanha do time na Libertadores deste ano. "Pegamos uma chave fácil e terminamos no primeiro lugar geral." Acredita, porém, que adversários mais difíceis desta vez podem deixar o Corinthians mais "pronto".

Calendário. A 51.ª edição da Libertadores começa em 26 de janeiro com os jogos da primeira fase, que serão disputados até 2 de fevereiro. A fase de grupos terá início em 9 de fevereiro e término em 20 de abril. As finais estão programadas entre 15 e 22 de junho, com um total de 132 partidas disputadas.

O regulamento determina que os times envolvidos na final mantenham os jogadores eventualmente convocados para a Copa América, que começa em 1.º de julho, na Argentina.

Homenagem. O atacante paraguaio Salvador Cabañas fez rápida aparição na cerimônia. O jogador quase morreu após ser baleado na cabeça em 25 de janeiro, quando estava em uma boate na Cidade do México, mas recuperou-se de maneira surpreendente, a ponto de considerar o retorno ao esporte. Cabañas foi artilheiro da Libertadores por dois anos seguidos - 2007 e 2008 -, quando jogava pelo América do México. Ontem, recebeu o troféu Alberto Spencer, dado aos artilheiros do torneio.

O atleta sofre, agora, para superar problemas financeiros. O atacante processou o América, reclamando cerca de R$ 2,2 milhões referentes ao período de sua reabilitação. Franklin Lobos, um dos mineiros soterrados no Chile, também foi homenageado. Franklin, de 53 anos e ex-atacante da seleção chilena, disputou uma Libertadores pelo Cobresal. / A REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO SANTANDER

BRASILEIROS DEFINIDOS

Grupo 5

Santos

Chile 2

Deportivo Táchira

Vencedor 3*

Grupo 6

Internacional

Wilstermann

Equador 2

Vencedor2**

* Paraguai 3 x Dep. Petare (VEN)

** Jaguares (MEX) x Peru 3

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.