Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Leonardo Soares/AE
Leonardo Soares/AE

Candidato de Mustafá assume o Palmeiras

Apoiado pelo polêmico dirigente que comandou o clube de 1993 a 2005, Arnaldo Tirone vence com facilidade os adversários

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2011 | 00h00

Arnaldo Tirone é o novo presidente do Palmeiras. O empresário de 60 anos venceu as eleições de ontem e vai comandar o clube pelos próximos dois anos. Enquanto 275 conselheiros votavam (2 se abstiveram) no ginásio da Academia de Futebol, a torcida protestava do lado de fora.

Quase 200 palmeirenses levaram faixas e pediram por "diretas já". Os três candidatos também não foram poupados da ira da torcida. Tirone, Paulo Nobre e Salvador Hugo Palaia sofreram hostilidades - reflexo das más campanhas da equipe.

Se o protesto da torcida foi pacífico, sem violência, o que se viu dentro da Academia não é exemplo para ninguém. Com os ânimos acirrados, Wlademir Pescarmona, que até ontem era diretor de futebol, e outros quatro conselheiros resolveram tirar satisfação com um fotógrafo que "desrespeitou o Palmeiras no Twitter". A confusão terminou em briga.

Pescarmorna era um dos mais exaltados na sala de votação. Para começar, as contas de 2010 foram rejeitadas. Depois, a turma da situação viu a derrota e ainda teve de aturar gozações dos adversários. Belluzzo votou em Nobre e foi embora antes de saber o resultado final: 158 votos para Tirone, 96 para Nobre e apenas 21 para Palaia. Uma vitória fácil. "A primeira coisa é organizar o clube, que vem crescendo de forma desorganizada", declarou, eufórico.

Tirone chegou à votação com o favoritismo a seu lado. O candidato da oposição ganhou força após o racha na situação entre Palaia e Nobre - um esperava o apoio do outro e ninguém chegou a um acordo. Mustafá Contursi, polêmico presidente que dirigiu o clube entre 1993 e 2005, saiu como grande vitorioso do pleito. Foi uma volta por cima na política do Palestra Itália. Antes do anúncio do resultado, estava otimista com a vitória de sua chapa. E afirmou que, mesmo não estando diretamente no comando, vai ajudar "interna e externamente". "E vamos ter uma posição vigilante, assim como tivemos nos últimos quatro anos."

Luiz Gonzaga Belluzzo, agora ex-presidente, se despediu do elenco que viajou para Piracicaba, onde hoje enfrenta o Ituano. "Agradeci e desejei que eles fossem campeões com outro presidente", declarou. Ainda um pouco debilitado da saúde (no fim do ano passou por cirurgia cardíaca), Belluzzo afirmou que não aceitará nenhum cargo no Palmeiras. "Eu só tive perdas, não enfrentaria esse prejuízo de novo", falou, lembrando que teve de se distanciar do trabalho, da família... "Mas ser presidente foi uma honra."

Afirmando que a dívida do clube é de R$ 90 milhões (e não R$ 150 milhões como a oposição afirma), Belluzzo alerta Tirone sobre os caixas do clube. "Ele vai encontrar uma situação delicada." O economista lembra também que foi no seu comando que o projeto Arena Palestra foi colocado em prática, mas não escondeu os fracassos do time. "Do ponto de vista das conquistas não deu certo."

Apesar de Tirone ser de outro grupo político, Belluzzo quer acreditar que o novo presidente conseguirá ter sucesso.

QUEM É

ARNALDO LUIZ TIRONE:

Tem 60 anos e é sócio desde 1955. Foi indicado para o Conselho em 1977 e seguiu membro do COF por 12 mandatos consecutivos. Entre 2007 e 2008, atuou no cargo de 1º vice-presidente. Trabalha no mercado imobiliário e tem um restaurante na capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.