Candidato único à presidência elogia a Wada

Australiano John Fahey confia no potencial da entidade para controlar o doping no esporte

EFE

17 de outubro de 2007 | 15h49

O australiano John Fahey, único candidato à presidência da Agência Mundial Antidoping (Wada) após o ex-ministro de Esportes da França, Jean-François Lamour, desistir de lutar pelo cargo, declarou que esta entidade deu "passos gigantes".   "Acho que esta entidade já deu passos gigantes e vimos alguns deles particularmente no caso de Marion Jones. Deve haver uma luta contínua para assegurar que o esporte seja justo. Caso eu possa contribuir para isto farei tudo o que puder e me agradará muito", declarou Fahey.   O candidato a suceder o canadense Richard Pound no comando da Wada reconheceu estar muito motivado para assumir este cargo, para o qual será realizada uma eleição durante a III Conferência Mundial Antidoping que acontecerá entre os dias 15 e 17 de novembro.   "Espero com esperança esta oportunidade. Não há nenhuma dúvida de que qualquer um que tenha interesse ou ame o esporte reconhece que o esporte significa fair play", declarou hoje em Sydney o ex-ministro de Finanças da Austrália.   Jean-François Lamour anunciou ontem sua renúncia como vice-presidente da Wada e sua decisão de não lutar pelo cargo de presidente após expressar seu descontentamento pela ruptura do consenso entre os Estados para apresentar um candidato único à presidência.

Tudo o que sabemos sobre:
WadaJogos Olímpicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.