Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Candidatura do Rio tem simpatia internacional, diz Blatter

Presidente da Fifa afirma que COI vê com bons olhos possibilidade de os Jogos de 2016 acontecerem na cidade

Pedro Fonseca, Reuters

28 de setembro de 2009 | 17h35

A candidatura do Rio de Janeiro para receber a Olimpíada de 2016 tem uma grande simpatia internacional, disse nesta segunda-feira o presidente da Fifa, Joseph Blatter, durante visita à cidade antes de seguir para Copenhague, onde participa da votação do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Veja também:

linkEspecialistas apontam Rio como favorito

linkOlimpíada no Rio será autoafirmação de um povo, diz Lula

especialESPECIAL - Tudo sobre as cidades candidatas

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

Blatter, que na terça-feira vai liderar uma reunião do comitê executivo da entidade máxima do futebol mundial no Rio, não quis revelar se vai votar na candidatura brasileira e acrescentou que somente a simpatia não é suficiente para garantir a vitória na eleição entre os membros do COI.

O Rio, que tenta se tornar a primeira cidade da América do Sul a receber os Jogos Olímpicos, concorre com Madri, Chicago e Tóquio na eleição do dia 2 de outubro.

"Não posso declarar meu voto, é secreto. Mas o que posso dizer é que a candidatura do Rio tem uma grande simpatia internacional", disse Blatter a jornalistas, após participar do lançamento do projeto para a construção da nova casa da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

"Mas só essa simpatia não é suficiente", ressaltou o dirigente, que deixará a cidade na terça-feira direto para a capital dinamarquesa.

A candidatura brasileira saiu fortalecida após a divulgação do relatório de inspeção do COI este mês, que considerou a cidade apta a realizar os Jogos. As concorrentes também foram aprovadas, mas, de acordo com as autoridades da campanha brasileira, existe um interesse do COI de expandir o movimento olímpico para novas regiões.

Sobre a mudança de planos do presidente dos EUA, Barack Obama, que decidiu viajar a Copenhague para defender a proposta de Chicago, as autoridades brasileiras voltaram a apostar no presidente Luiz Inácio Lula da Silva como importante incentivador da campanha do Rio.

"Não ficamos preocupados. Entre Obama/Chicago e Lula/Rio, o Rio vai dar de goleada", disse o prefeito da cidade, Eduardo Paes.

O prefeito também aproveitou a visita de Blatter para reforçar a campanha da cidade por um papel de destaque na Copa do Mundo de 2014 que será realizada no Brasil.

Além da provável final no estádio do Maracanã, a cidade já ofereceu edifícios oficiais para receber a sede da Fifa e do comitê organizador do Mundial e também deseja se tornar o centro internacional de imprensa durante a Copa.

De acordo com Blatter, que não respondeu aos pedido de Paes, o tema deve ser discutido durante a reunião executiva da Fifa de terça e quarta-feira na cidade. O presidente concederá uma entrevista coletiva antes de deixar a cidade na terça-feira.

A nova sede da CBF incluirá um centro de treinamento para a seleção brasileira que será utilizado nos preparativos da equipe para o Mundial no país, substituindo a Granja Comary, em Teresópolis, onde a equipe atualmente treina para as competições.

O novo local, a ser erguido na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, também abrigará um museu do futebol.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016FifaJoseph BlatterOlimpíadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.