Canoagem decide vaga para Atenas

A canoagem brasileira disputa neste sábado, no Parque Náutico do Iguaçu, em Curitiba, vaga para as olimpíadas de Atenas em cinco categorias de velocidade. Somente os primeiros colocados estarão classificados. Por isso, as dificuldades são bem maiores. O pré-olímpico reúne atletas de 17 países, entre eles argentinos, norte-americanos, canadenses e cubanos, principais adversários, que já garantiram, durante mundiais do ano passado, atletas para os jogos olímpicos em algumas categorias. O atleta argentino naturalizado brasileiro Sebastian Cuattrin é a maior esperança nacional de vaga remando em caiaque. Ele já esteve nas olimpíadas de Barcelona, Atlanta e Sydney, tendo conseguido como melhor colocação um oitavo lugar em Atlanta. Ele estará competindo no k-1 1000 metros e no k-2 1000 metros, juntamente com o polonês naturalizado brasileiro Sebastian Szubski. "A tática vai ser largar e partir para cima, porque só interessa chegar na frente", diz Cuattrin. "Mas todo mundo que está aqui veio porque merece e porque tem chance." No k-4 1000 metros, os atletas Guto Campos, Roger Caumo, André Caye e Fábio Demarchi estão animados para conquistar a vaga. "Vamos fazer o máximo possível e impossível", promete Campos. Ainda podem garantir neste sábado a ida a Atenas os canoístas Alexsandro de Freitas e André Borges na prova c-2 1000 metros. As atletas Naiane Fragoso, Daniela Alvarez, Caroline Oliveira e Bruna Gama também entram na raia para conseguir a vaga no k-4 500 metros. O canoísta Antônio Borges garantiu nesta sexta-feira o primeiro lugar nas semifinais da c-1 500 metros e está nas finais que serão disputadas domingo. Ele pode entrar para a história da canoagem brasileira, sendo o primeiro brasileiro na disputa de canoa em jogos olímpicos. "Foi uma prova de superação", afirmou o atleta. Além de Borges, o Brasil entrará domingo nas raias para tentar a vaga olímpica em outras cinco categorias.

Agencia Estado,

30 de abril de 2004 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.