Canoagem: equipe olímpica em Piraju

A equipe olímpica brasileira de canoagem deverá, no próximo ano, passar a treinar na cidade de Piraju, no interior do São Paulo, segundo o presidente da Federação de Canoagem do Estado do Rio de Janeiro, Fernando Calado. O dirigente afirmou que somente com um patrocínio individual será possível manter os atletas federados no Rio. "Do total de 16, apenas oito continuam treinando aqui. Os outros, como o Sebastian Cuatrin, estão em Londrina e vão para São Paulo, porque estão prometendo casa e comida para eles", disse Calado, durante o lançamento para os esportes náuticos do programa de patrocínio da Petrobrás, hoje, no Rio. Encantados pelo Projeto Olímpico do Vasco, a seleção brasileira trocou Londrina, pelo Rio. Com o cancelamento do patrocínio vascaíno, os atletas se viram em dificuldades e, muitos retornaram para o Paraná. Cuatrim, principal canoísta brasileiro, medalhista de prata e bronze, nos Jogos Pan Americanos do Canadá, em 1999, revelou, por exemplo, estar sem receber salários desde janeiro. Sede de Campeonatos de Canoagem e muito procurada por estudantes, a cidade de Piraju é privilegiada por estar às margens do Rio Paranapanema e da represa Jurumirim. Com cerca de 27 mil habitantes, em março, o local foi sede do IX Brasileiro de Maratona da modalidade. Apesar da possibilidade da perda dos canoístas da seleção, Calado comemorou o novo patrocinador da Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa). Pelo contrato assinado com a Petrobrás, a entidade poderá receber até R$ 700 mil. O projeto da Petrobrás, com duração de três anos, prevê investimentos no total de R$ 3,5 milhões nas modalidades náuticas de vela, canoagem, surfe e remo. A intenção da empresa é a de que o capital seja investido em projetos sociais e na organização de campeonatos. As Confederações Brasileiras de cada modalidade serão as responsáveis pelo gerenciamento desses recursos. Para a vela estão previstos investimentos entre R$ 2 e 2.200 milhões; para o surfe R$ 800 mil a 1 milhão e, o remo e a canoagem dividirão valores entre R$ 500 e 700 mil. Para aplicar os recursos destinados para o remo e a canoagem, a Petrobrás organizará um concurso público com o objetivo de decidir quais projetos serão apoiados pela empresa. A Confederação Brasileira de Vela e o Comitê Olímpico Brasileiro trabalharão juntos para o desenvolvimento e popularização da modalidade. A Vela é o esporte que mais trouxe medalhas olímpicas para o Brasil e, por isso, recebeu a maior parte do patrocínio. A modalidade será a única a ter uma equipe olímpica permanentemente apoiada pelo o novo patrocinador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.