Cansaço faz Dunga mexer na seleção

Comissão técnica opta por poupar alguns jogadores contra os EUA

Luiz Antônio Prosperi e Silvio Barsetti, O Estadao de S.Paulo

17 de junho de 2009 | 00h00

Dunga vai mexer na seleção brasileira para o jogo contra os Estados Unidos, amanhã, no Loftus Versfeld Stadium. Não se trata de uma resposta às críticas ou ao mau desempenho contra o Egito. As trocas atendem às recomendações dos médicos e preparadores físicos, preocupados com o desgaste de alguns atletas.Pelo menos três mudanças vão ocorrer. As mais prováveis: saem Juan, Kaká e Elano; entram Luisão, Júlio Baptista e Ramires. Na lateral-esquerda, por deficiência técnica, Kléber cede seu posto a André Santos. Robinho, em má fase, também corre o risco de perder o lugar. As alterações haviam sido programadas antes mesmo do início da Copa das Confederações. Dentro da estratégia do treinador, o Brasil teria o time titular contra o Egito, um misto diante dos Estados Unidos, amanhã, e a volta dos principais jogadores na decisão do Grupo B com a Itália, no domingo. Não por acaso, ontem os dois médicos da seleção, José Luís Runco e Serafim Borges, foram convocados para dar uma coletiva sobre o estado físico dos jogadores. Serafim deu as suas razões. "Para disputar três jogos, fizemos seis viagens de avião. Enfrentamos temperaturas de 10, 18, 28 e agora 18 graus. Os jogadores estão em final de temporada. O desgaste é muito grande. Nós monitoramos o estado de cada um de 48 em 48 horas, analisando doses de enzimas dos músculos. Temos um quadro de qual atleta deve ter diminuída a sua carga de esforço." Runco revelou que o segredo agora é "repouso, treinamentos adequados (leves) e boa alimentação". Na avaliação dos médicos, não há muito o que fazer quando se tem um grupo em final de temporada e sob efeito do fuso horário. Dunga também havia alertado para o cansaço do time. Lembrou que é impossível uma equipe render 100% após 12 horas de avião (de Recife a Bloemfontein, na África do Sul), não dormir bem e estrear na Copa das Confederações três dias depois. "Não adianta forçar. O desgaste faz a cabeça pensar, mas o corpo não obedecer. Não tem jeito", comentou o treinador após a vitória (4 a 3) do Brasil sobre o Egito, na segunda-feira. Hoje, no Loftus Versfeld, estádio de Pretória, a seleção brasileira faz o tradicional treino de reconhecimento do gramado. Neste pequeno ensaio, Dunga deve dar as pistas de quem vai mesmo deixar o time titular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.