Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

'Cansei de jogador vaselina, sem garra', dispara Juvenal Juvêncio

Presidente está indignado com comportamento dos jogadores do São Paulo nesta temporada

Paulo Galdieri, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2011 | 03h04

SÃO PAULO - Juvenal Juvêncio resolveu fechar 2011 em alto estilo. Em sua última aparição pública no ano, o presidente do São Paulo criticou duramente a atitude que, segundo ele, foi adotada por alguns jogadores e que foi fatal para o time ter falhado. Em um discurso inflamado, o dirigente falou sobre a reformulação que fará no time para a temporada 2012 e não perdoou os "preguiçosos".

O presidente não perdeu a oportunidade, mais uma vez, de criticar a atitude que, segundo ele, alguns atletas profissionais demonstram fora de campo e que teria sido o grande problema do São Paulo nos últimos dois anos.

"Os jogadores ganham muito, um salário desproporcional. Eles vão, compram carros enormes, são endeusados, há as moçoilas... E então, paga-se os salários, o campo é bom, a alimentação é boa, mas entra em campo e a bola não entra. Queria eu poder ir lá e fazer o gol, mas eu não consigo, não posso."

Com a chegada dos primeiros jogadores contratados, o clube abre oficialmente a temporada de reformulações no elenco que falhou em 2011 por não ter conseguido nem sequer a classificação para a Copa Libertadores.

"Eu disse que se falhássemos não íamos mais trocar o técnico, íamos trocar o elenco. E vamos fazer isso. Está na hora de mudar os jogadores. Os jogadores que vão chegar são bons. Eu vou ser criticado, mas não importa. Eu acho que eles são bons", disse o cartola.

Juvenal reforçou o tipo de atleta que espera ter no clube a partir de agora. "Vou trazer cara de guerra, de luta. Vou trazer cara que vai pegar. Não adianta ficar com os vaselinas que só sabem driblar", afirmou o dirigente, visivelmente irritado com o comportamento dos jogadores são-paulinos na última temporada.

Juvenal, que não abriu espaço para perguntas dos jornalistas, o que transformou o que seria uma entrevista coletiva em um pronunciamento, afirmou estar ciente de que tem sido criticado pela queda do time nas últimas temporadas.

"Falam por aí: 'o Juvenal está errando, desaprendeu'. Mas quando o time ganhou títulos diziam: 'O Juvenal está indo bem, sabe das coisas'. Eu sei como são essas coisas. Dizem que eu desaprendi. Mas eu sei muito desse negócio aqui. E a cada vez eu estou aprendendo mais."

Ele também disparou contra seus pares de outros clubes. Afirmou que nenhum tipo de associação entre dirigentes tem chance de ir para a frente porque "todos se odeiam". "É por isso que o G4 não deu certo. É por isso que o Clube dos 13 não deu certo."

CONTRATAÇÕES

O clube promete anunciar nesta quarta-feira um pacotão de contratações. Claro, já dentro dos novos critérios da diretoria. Segundo o vice-presidente de futebol são-paulino, João Paulo Jesus Lopes, hoje será oficializada a chegada de "quatro ou cinco" atletas. Embora os nomes já tenham sido divulgados nos últimos dias, o dirigente preferiu manter o "segredo" até que o anúncio seja feito.

Já estavam certas as aquisições do zagueiro Edson Silva, do meia Maicon, ambos destaques do Figueirense no Brasileiro, e do experiente volante Fabrício, ex-Cruzeiro. João Paulo, sem citar nome, confirmou que Paulo Miranda também fará parte do pacotão de contratações. "A situação de um dos jogadores foi acertada. Havia um impasse sobre a permissão para que ele saísse em caso de proposta do exterior e nós não abríamos mão desse controle. Agora está tudo acertado", disse o cartola.

O quinto nome que deve ser oficializado é o do lateral esquerdo Cortês. Os planos da diretoria incluíam um anúncio com pelo menos um jogador de maior impacto, mas isso não deverá ocorrer.

"Já contratamos esses quatro, cinco jogadores, mas isso não quer dizer que não vamos trazer mais ninguém. Continuaremos trabalhando para reforçar o time e há negociações que estão em andamento", falou Lopes.

Mais conteúdo sobre:
futebol São Paulo FC Juvenal Juvêncio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.