Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Caos do Palmeiras foi 'bola cantada' a Arnaldo Tirone em 2011

Relatório de consultoria entregue ao presidente apontava problemas e indicava soluções para melhorar gestão, mas poucas foram adotadas

Paulo Galdieri - O Estado de S.Paulo,

02 de novembro de 2012 | 02h07

O cenário da luta contra o rebaixamento do Palmeiras no Brasileiro tem sido a eterna briga política interna, envolta num caos administrativo-financeiro. Mas, se a diretoria que comanda o clube tivesse seguido alguns conselhos que lhe foram feitos há quase um ano, talvez o pano de fundo para a situação do time fosse outro e facilitasse as coisas para que, em campo, houvesse um rendimento mais satisfatório.

Uma análise detalhada da vida administrativa e financeira do clube feita pela Consultoria Torga Ltda. a pedido do presidente Arnaldo Tirone, entre julho e agosto de 2011, mas englobando decisões tomadas e contratos fechados por administrações anteriores, deu origem a relatório elaborado que terminou com uma série de conselhos para que o clube pudesse melhorar sua gestão e impedir que novos problemas administrativos acontecessem.

O conjunto de 13 recomendações administrativo-financeiras visava, em linhas gerais, aperfeiçoar a comunicação entre os departamentos do clube, além da padronização de processos e a organização e documentação de tudo o que fosse feito pelo clube.

Passado quase um ano da entrega do relatório à presidência, poucas das 13 recomendações foram colocadas em prática e o clube continua a viver sob fogo cruzado permanente entre situação e oposição, tendo sempre como munição para os ataques o caos administrativo e financeiro.

Tirone admite que poucas recomendações foram colocadas em prática pelo clube, embora considere que tenha priorizado as mais relevantes.

"Não há nenhuma recomendação relevante que não estamos seguindo", diz. Segundo o presidente, como o relatório tinha como uma de suas principais funções apurar irregularidades nos contratos assinados com os jogadores nas últimas administrações que o antecederam, o foco foi cuidar dos procedimentos relativos a isso - sobretudo com a delimitação de porcentagem para pagamento de comissões a intermediários.

Tirone, no entanto, admite que uma maior profissionalização na gestão do clube beneficiaria a todos os departamentos, inclusive o sempre exposto futebol profissional, que acaba sofrendo com críticas e acaba tendo o rendimento do time em campo comprometido por tantas crises e acusações nos bastidores do clube. "Tudo no clube tem uma barreira externa. Agora, por exemplo, já estão dizendo que a minha gestão está no fim e eu não tenho que ficar planejando as coisas."

Segundo o cartola, a tal profissionalização na gestão, recomendada pelo relatório há quase um ano e agora defendida por ele, só não saiu do papel porque seus colaboradores sempre agiram como se fossem profissionais, mesmo não tendo cargos remunerados e sendo, todos, membros ativos da política do clube.

"Eu tive pessoas competentes nas diretorias. Elas sempre agiram com profissionalismo. Mas vou profissionalizar tudo a partir de agora."

Veja abaixo as recomendações feitas a Arnaldo Tirone
- Criar cadastro de pessoas físicas e jurídicas envolvidas em contratações de atletas
- Estabelecer processo para cobrar o cumprimento das atividades previstas em contratos
- Arquivar documentos em lugar seguro e de acesso restrito
- Padronizar processos
- Melhorara transferência de conhecimento entre as áreas
- Fazer rodízio de funções
- Promoverum sistema de comunicação eficaz entre os departamentos internos
- Todosos departamentos têm de trabalhar de forma coordenada e integrada
- Presidente tem que ter total controle e conhecimento do que ocorre no clube
Tudo o que sabemos sobre:
Palmeiras, Arnaldo Tirone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.