Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Capitão da seleção de futsal busca redenção em sua última Copa do Mundo

Aos 37 anos, defensor diz que edição na Lituânia será sua última e espera encerrar sua trajetória com uma nova conquista

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

11 de setembro de 2021 | 05h01

RIO - Capitão da seleção brasileira de futsal, o fixo Rodrigo é o atleta mais experiente do grupo e, como tal, já experimentou um pouco de tudo no futsal - do bom e do ruim. Campeão do mundo com a seleção em 2012, ele também esteva no grupo que fez a pior campanha da história em Mundiais, em 2016. Agora, aos 37 anos, o defensor diz que a Copa da Lituânia será sua última, e por isso ele sonha em encerrar sua trajetória com uma nova conquista.

"Eu defendi com unhas e dentes a seleção brasileira. Bateram muito já em mim, mas em nenhum momento eu deixei me abater. Quando a gente perdeu para o Irã, eu coloquei na cabeça que a gente não podia sair daquele jeito, eu tinha que dar um jeito. Trabalhei quatro anos a fio pensando neste momento, e quando saiu a lista do Marquinhos eu fiquei muito feliz", disse o jogador, que atua pelo Magnus.

O capitão avalia que a seleção terá uma campanha muito melhor do que aquela vista na Colômbia, há cinco anos. E se mostrou empolgado com o fato de agora o Brasil jogar com o escudo da CBF, o que garantiu uma estrutura de preparação e uma visibilidade muito maiores.

"Estou sentindo que desta vez vai ser diferente, que a torcida vai estar com a gente. Quando eu fui pra Granja, eu era um torcedor lá dentro. As redes sociais começaram a inflamar. Vai ter TV aberta, a nossa cara vai estar para o Brasil todo. E mesmo o cara que não gosta muito de futsal, ele vai estar com a TV ligada depois do almoço e vai ver lá o Rodrigo, o Ferrão, ele vai começar a olhar pra gente. Isso pra mim é o maior reconhecimento", comentou o fixo.

O "capita", como é chamado pelos companheiros, também revelou seu sonho para esta sua última Copa. "A gente vai jogar para a nação. Meu sonho é ver igual o campo: o bar lotado, sair um gol do Rodrigo, o cara jogar a cerveja pro alto. Esse é meu sonho. E acho que nesse meu último ato pode ser que aconteça", afirmou Rodrigo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.