Capitão do Brasil minimiza desgaste do Equador na Davis

Adversário do brasileiro Thomaz Bellucci, Emilio Gomez tem obrigação de vencer neste domingo, a partir das 12 horas, para dar sobrevida ao Equador na Copa Davis. O jogador entrou em quadra duas vezes, ganhou de Rogério Dutra Silva e perdeu nas duplas, e disputará seu terceiro jogo em apenas três dias. Situação semelhante vive Roberto Quiroz. Mas o capitão do Brasil não conta com o cansaço dos rivais para os duelos decisivos.

Nathalia Garcia, Estadão Conteúdo

17 de julho de 2016 | 09h01

"Em teoria, quem joga mais em um espaço curto de tempo tem um desgaste maior. Mas não vejo que tiveram um grande desgaste hoje (sábado), não foi um jogo tão longo. São jovens, fisicamente bem preparados, excelentes atletas. Espero que isso possa atrapalhá-los, mas não vejo como um fator que a gente possa contar como vantagem", disse João Zwetsch.

Raul Viver, capitão do Equador, nomeou apenas os dois jogadores para os cinco confrontos da série. As equipes podem mudar a escalação até uma hora antes de cada partida. O líder equatoriano, todavia, deve mesmo deixar Gonzalo Escobar e Ivan Endara apenas como suplentes. "Não planejo fazer nenhuma alteração na escalação dos jogadores. O Emilio se sente bem fisicamente, já falei com ele. Está muito motivado para enfrentar o Thomaz Bellucci."

Um triunfo de Gomez neste domingo deixaria o confronto entre Brasil e Equador empatado por 2 a 2. A responsabilidade então cairia nas mãos de Quiroz e Rogerinho, que estão na expectativa pela necessidade ou não do quinto jogo da série. Derrotado na estreia, o brasileiro prometeu dar 110% de esforço se tiver de entrar em quadra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.