Caratê ao estilo de um brasileiro

Com a participação de 32 atletas, incluindo representantes do Uruguai e Japão, será disputado neste domingo o III Campeonato Brasileiro de Caratê de Combate Seiwakai, a partir das 14 horas, no Ginásio Mané Garrincha. No Seiwakai, as lutas são decididas por nocaute. Os golpes de pernas podem atingir todo o corpo. Com as mãos, os caratecas só podem atingir o rival abaixo do pescoço. Os lutadores vestem dougui (quimono) e não têm proteção. A luta é em ringue como o de boxe, evitando que se use área de fuga para evitar o ataque do adversário (as lutas são mais dinâmicas). Os lutadores serão apresentados por um locutor profissional e entrarão por uma passarela, do vestiário, sob jogo-de-luz, gelo seco, música ? ao estilo de eventos internacionais. Haverá telão para detalhes das lutas. O evento faz parte do calendário esportivo municipal, com apoio apoio da Secretaria Municipal de Esportes, Turismo e Recreação. O brasileiro Ademir da Costa, de 41 anos, foi o primeiro estrangeiro a exportar um estilo para o Japão. Após 20 anos de treinos, criou o estilo Seiwakai. Em seis anos de viagens pelo mundo, Ademir é respeitado no berço das artes marciais, como o melhor atleta ocidental de caratê de todos os tempos, mas também pela eficácia de seu estilo, que se mostrou vencedor em importantes campeonatos no Japão. Ademir ganhou o respeito dos grandes mestres. Além de ser imbatível na América do Sul, ainda fez fama em Tóquio com grandes apresentações em campeonatos mundiais e japoneses. Com 21 anos e quase 50 quilos a menos, em 1982 derrotou o então campeão mundial Makoto Nakamura. Em 1987, tornou-se o quarto karateca do estilo Kyokushin a realizar o teste das 100 lutas: em mais de duas horas e meia, ganhou todas e ainda com 62 nocautes. O mestre Masutatsu Oyama alertou os atletas japoneses: "Se vocês querem alcançar o nível de Ademir, façam um chá com a sujeira de seus pés e tomem, para que possam obter a essência do caratê."

Agencia Estado,

17 de outubro de 2002 | 20h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.