Caso de homofobia provoca troca de acusações entre times

Nota publicada pelo Cruzeiro diz que Vôlei Futuro usa o caso para criar clima de guerra. [br]Adversário se defende

, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2011 | 00h00

A polêmica envolvendo o jogador Michael, do Vôlei Futuro, que foi vítima de homofobia por parte da torcida do Cruzeiro na primeira partida da melhor de três da Superliga de Vôlei, sexta-feira, em Contagem (MG), provocou nova troca de acusações ontem entre os clubes.

A diretoria do Cruzeiro divulgou nota em que minimizou o ocorrido. "Nada ocorreu que já não tivesse acontecido, em maior ou menor grau, em outros jogos da Superliga de Vôlei", trazia o comunicado. O time de Minas reconheceu, porém, que as alegações de Michael são "genuínas" e disse que ele "merece respeito". Ressaltou que abomina qualquer tipo de atitude discriminatória e pede orientação e conscientização dos torcedores de maneira geral em todo o País, mas alfineta o adversário. "Lamentamos que o time adversário recorra, fora da quadra, para a prática de acusações extemporâneas. E que tenha escolhido exatamente o momento após a derrota para lançar uma campanha contra a homofobia, que é absolutamente válida, mas que veio acompanhada de fantasiosas e irresponsáveis acusações."

E ainda afirmou. "Não estranhamos a postura do Vôlei Futuro, que já foi responsável por várias confusões nesta Superliga, ainda na fase classificatória."

À noite, o Vôlei Futuro respondeu também por meio de nota oficial. "É totalmente absurda tal declaração. A equipe do Vôlei Futuro não é e nunca foi responsável por qualquer confusão dentro ou fora da quadra. Nunca fomos punidos pelo STJD. Mais uma vez o Cruzeiro perdeu a oportunidade de mostrar atitude mais digna e mais construtiva em relação ao episódio, se desculpando perante todos do ocorrido na partida em Contagem."

A segunda partida de semifinal está marcada para sábado, às 10 horas, no Ginásio Plácido Rocha, em Araçatuba. Se vencer, o Cruzeiro estará na final da competição. Já o Vôlei Futuro precisa do resultado positivo para forçar um terceiro jogo, novamente na casa do adversário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.