AP
AP

Caster Semenya vence provas de 800 e 1,5 mil metros na África do Sul

Corredora, que esteve envolvida em polêmica sobre seu gênero, prepara-se para o Mundial de Atletismo

Agência Estado

10 de abril de 2011 | 14h10

DURBAN - Caster Semenya foi campeã neste domingo das provas dos 800 e 1,5 mil metros no Campeonato Sul-Africano de Atletismo, realizado no Durban Kings Park Athletics Stadium. A competição serviu de preparação para o Mundial de Atletismo, quando ela defenderá o seu título dos 800 metros.

A campeão mundial, que esteve envolvida em uma polêmica sobre o seu gênero, liderou a prova dos 800 metros desde o início, superou a campeã nacional Mapaseka Makhanya e venceu com o tempo de 2min02s10. Depois, Semenya, de 20 anos, ultrapassou Lebogang Phalula para ganhar a prova dos 1,5 mil metros com 4min12s93.

Semenya correu as duas corridas em um espaço de 1 hora e 20 minutos no último dos dois dias do campeonato nacional. Apesar dos títulos, ela não conseguiu o objetivo de correr os 800 metros em menos de 2 minutos. "Eu estou um pouco chateada", disse, em uma entrevista de TV. "Eu ainda tenho a temporada na Europa, eu vou tentar conseguir correr em menos de dois minutos na Europa, eu não consegui hoje".

Semenya espera de defender seu título em Daegu, dois anos depois que ela ganhou o ouro no Mundial de e realizou por testes de gênero. Em Durban, a campeã do mundo fez um tempo acima do seu melhor da temporada, que é de 2min01s77, obtido em março, mas conquistou o título nacional que não defendeu em 2010 após ter sido afastado por 11 meses por causa da controvérsia sobre seu gênero. A corredora foi liberada para voltar a competir em julho de 2010.

"Eu não estou pensando sobre essas coisas mais", disse. "Isso é passado e eu estou olhando para o futuro. Eu só estou preocupada em ganhar o campeonato mundial e os Jogos Olímpicos no próximo ano".

Veja também:

linkQuenianos dominam e vencem Maratona de Paris

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.