Carol Coelho/Divulgação
Carol Coelho/Divulgação

CBAt diz que lista inicial da Bolsa Pódio era preliminar

Presidente da entidade afirmou que não mudou de ideia sobre a inclusão das atletas do revezamento 4x100 metros

AMANDA ROMANELLI, Agência Estado

29 de agosto de 2013 | 17h45

SÃO PAULO - O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), José Antonio Martins Fernandes, afirmou nesta quinta-feira que a entidade não mudou de ideia sobre a inclusão das atletas integrantes do revezamento 4x100 metros no Programa Bolsa Pódio, do governo federal. O que houve, segundo ele, foi a divulgação inicial de uma lista preliminar de nomes, baseada nos resultados do Mundial de Moscou, que teria sido complementada posteriormente. O dirigente afirma que uma relação, mais atualizada, foi enviada para o Ministério do Esporte na última segunda e mantida em sigilo a pedido da pasta.

Mas, de acordo com o secretário do alto rendimento do Ministério do Esporte, Ricardo Leyser, o órgão interveio para que Vanda Gomes, Rosângela Santos e Evelyn dos Santos tivessem o direito de receber a remuneração federal, após a publicação de reportagem da Agência Estado. "Vimos a reportagem e ligamos para a CBAt", contou, em entrevista nesta quinta-feira no Rio.

Logo depois da afirmação do secretário no Rio, o presidente da CBAt deu a sua versão para o caso. "Não houve recuo. Tínhamos divulgado uma relação preliminar de atletas e a lista final foi enviada ao Ministério do Esporte na segunda-feira, pois o prazo para o envio dos nomes termina no dia 31", afirmou José Antonio Martins Fernandes. "Mas se o Leyser divulgou os nomes...".

Na semana passada, porém, a CBAt deu outra justificativa para a ausência das atletas na lista, afirmando que houve um acordo com o Ministério do Esporte de que os revezamentos classificados entre os oito melhores do Mundial de Atletismo entrariam no programa federal. "O 4x400m masculino obteve isso, mas o 4x100m feminino foi desclassificado. Portanto, não obteve classificação, infelizmente", disse a entidade, na ocasião.

A CBAt justificou que, como houve o erro na passagem do bastão, o revezamento feminino do Brasil foi desclassificado da final do Mundial de Atletismo, realizada no dia 18 de agosto, e deixou Moscou sem uma posição definida na prova. Portanto, as atletas não teriam direito a receber a Bolsa Pódio, que destina recursos aos esportistas vistos pelo Ministério do Esporte como potenciais medalhistas nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016.

José Antonio Martins Fernandes afirmou nesta quinta-feira que o nome das atletas Vanda Gomes, Rosângela Santos e Evelyn dos Santos, três das integrantes do revezamento no Mundial, não apareceu na lista preliminar porque a CBAt aguardava os relatórios técnicos sobre a participação do 4x100 metros em Moscou.

Vanda Gomes, que fez críticas sobre a preparação da equipe para o Mundial, ainda corre o risco de ser punida por suas declarações, que foram consideradas uma infração disciplinar. A avaliação sobre a atleta, aliás, será feita em uma reunião na próxima semana, em dia ainda não definido.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoCBAt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.