CBAt limita estrangeiros em corridas

A Assembleia Geral da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) aprovou, na sexta-feira, em Manaus, a norma que regulamenta a participação de estrangeiros nas corridas de rua do País. A proposta da entidade de limitar o número de atletas que competem no Brasil foi revelada pelo Estado em 29 de dezembro. As novas regras entram em vigor a partir de 1º de março.A decisão em restringir o número de estrangeiros foi tomada a partir da pressão de atletas e técnicos brasileiros, preocupados com a invasão dos quenianos, especialmente nas provas nacionais - muitos permanecem no País e disputam várias corridas. "Os corredores brasileiros reclamam que não têm conseguido ganhar prêmios e muitos contam somente com esses recursos para manterem seus treinos", afirma Martinho Nobre dos Santos, secretário-geral da CBAt. Pelas novas regras, cada país poderá inscrever, no máximo, seis atletas (três homens e três mulheres) para provas internacionais (classe A1) - caso da Corrida Internacional de São Silvestre, das maratonas de São Paulo e do Rio e da Volta da Pampulha, em Belo Horizonte.Nas provas nacionais (classe A2), o limite será de quatro atletas (dois para cada naipe) e, nas corridas estaduais (classe B), somente uma mulher e um homem de cada país poderá participar. A única exceção prevista pela CBAt será nas disputas de classe A1, cujo limite pode ser aumentado de acordo com o currículo dos atletas postulantes.As regras valem apenas para provas que atendem às exigências do CBAt e da Associação das Federações Internacionais de Atletismo (IAAF).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.