CBAt trabalha para acelerar caso Maurren

O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Roberto Gesta de Melo, disse nesta segunda-feira que trabalhará para que a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) analise o caso da atleta Maurren Higa Maggi na próxima reunião do Conselho - órgão máximo da entidade, integrado pelo dirigente brasileiro - nos dias 27 e 28 de março, em Atenas, na Grécia."Seja qual for a decisão da atleta quanto a voltar ou não aos treinos normais, o esforço brasileiro é para que o Conselho da IAAF aprecie seu caso logo em março", explicou o presidente da CBAt.A sentença de absolvição de Maurren dada pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva da CBAt, no julgamento realizado no dia 19 de janeiro, foi traduzida para o inglês e enviada nesta segunda-feira para a IAAF. Caso o Conselho homologue a decisão do tribunal brasileiro, Maurren poderá voltar às competições imediatamente.O principal argumento do STJD é que Maurren não obteve vantagem de desempenho - o que caracteriza o doping, a trapaça - com o uso da substância que apareceu em seu exame de urina.Se a IAAF optar pela punição máxima - suspensão de dois anos, a partir de 1º de agosto de 2003 -, Maurren poderá recorrer à Corte de Arbitragem do Esporte (CAS), com sede na Suíça, ligada ao Comitê Olímpico Internacional (COI). Essa é a última instância esportiva a que um atleta pode recorrer nesse caso. Foi a Corte de Arbitragem do Esporte, por exemplo, reunida em Sydney durante a Olimpíada, que decidiu manter a cassação da medalha de ouro da ginasta romena Andrea Raducan - punida por doping, alegou que teria tomado remédio contra a gripe. Mesmo que tivesse de cumprir a suspensão integralmente, Maurren estaria liberada a tempo de competir no Mundial de Helsinque, na Finlândia, em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.