CBF leva R$ 2,7 mi por jogo contra time sem técnico

Os contratos de exclusividade dos jogos da seleção brasileira nos próximos três anos estão nas mãos de investidores sauditas, donos da rede de TV ART, uma das maiores do Oriente Médio. A CBF fechou no ano passado um contrato de US$ 1,5 milhão (R$ 2,7 milhões) por jogo disputado pela seleção. Segundo o Estado apurou, os investidores estarão amanhã no estádio em Dublin, acompanhando o primeiro jogo do Brasil em 2008. Tudo indica, porém, que os sauditas serão "discretos".O acordo prevê que os direitos de imagem e todos os lucros dos jogos da seleção vão para os investidores. Em contrapartida, a CBF recebe o dinheiro e exige toda a organização dos jogos, como a busca por adversário, estádio, hotel, local de treinamento e toda a infra-estrutura. A CBF garante que tem o poder de vetar o adversário.A ART conta com acordos de exclusividade com outros esportistas. A seleção brasileira é um dos grandes trunfos financeiros. Um jogo do Brasil na Europa é audiência garantida. Todos os 83 mil ingressos para o amistoso contra a Irlanda estão vendidos.No primeiro confronto do ano, o Brasil vai enfrentar uma seleção sem técnico há quatro meses, desde que Steve Staunton foi demitido, em outubro, após falhar ao tentar levar a seleção para a Eurocopa. A seleção sequer tem treinado.Por enquanto, o comando estará com Donald Givens, que também dirige a seleção sub-21. Vários nomes já se recusaram a aceitar o cargo - o caso virou motivo de piada. A federação local promete resolver o problema na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.