CBJ, enfim, consegue bancar viagens

Os torneios de Roma e da Tunísia, no próximo fim de semana, integram a terceira etapa do Circuito Europeu de Judô, que terá a presença de 14 atletas na seleção brasileira B. O grupo embarca nesta quarta-feira para a Europa, chefiado pelo técnico Luiz Juniti Shinohara e com recursos da Lei Piva, dos prêmios das loterias, repassados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). O presidente da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Paulo Vanderley, garante que esta será a primeira vez que uma equipe B viaja sem "tirar dinheiro do bolso". Segundo o dirigente, também os atletas das categorias sub-17 e sub-20 já não pagam mais por viagens para representar a seleção em competições oficiais. Mas admite que, em categorias abaixo dessa faixa etária, os atletas sem patrocínio ainda pagam para competir. Quanto à reclamação da tia de um atleta, que viajou para o Sul-Americano de Lima, no Peru, com recursos próprios, Paulo Vanderley respondeu que a "CBJ precisa ter prioridades". Seguem para a Europa nesta quarta-feira, pela seleção principal, Taciana de Lima e Alexandre Dae Jin Lee (ligeiro), Cátia da Silva Maia e Reinaldo dos Santos (meio-leve), Roberta Bittencourt e Luiz Camilo Jr (leve), Christiane Parmegiano e Flávio Honorato (meio-médio), Luciana Ohi e Fabrício Lusa (médio), Claudirene César e Joseph Guilherme (meio-pesado) e Luzia Pessoa e Luciano Correa (pesado). A equipe que chegou nesta terça-feira trouxe 13 medalhas das etapas européias de Praga (República Checa) e Varsóvia (Polônia), sendo quatro de ouro, de Fabiane Hukuda (meio-leve), João Derly (ligeiro), primeiro nos dois torneios, e Mário Sabino (meio-pesado).

Agencia Estado,

19 Março 2002 | 19h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.