Divulgação
Divulgação

CBJ exalta intercâmbio que reuniu 150 judocas em Saquarema, no Rio

Atletas elogiaram estrutura e a possibilidade de treinar com alguns dos melhores do mundo

AE, Agência Estado

24 de março de 2014 | 21h01

SÃO PAULO - Em meio a uma crise de grandes proporções, criticada por patrocinadores, torcedores e atletas, a CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) pelo menos recebeu elogios nesta segunda-feira. Na véspera, chegou ao fim um camping de treinamento da CBJ (Confederação Brasileira de Judô) no CT do vôlei, em Saquarema, no Rio. Cerca de 150 judocas de oito países se reuniram e elogiaram a estrutura.

"Acho que a estrutura atendeu muito bem a todos os atletas, não deixou nada a desejar aos melhores treinamentos em que participamos mundo afora. Ficamos muito satisfeitos com essa parceria com o Comitê Olímpico Brasileiro (COB). Não tenho dúvidas de que esse evento foi um marco e que entrará definitivamente no calendário da Federação Internacional", comentou Ney Wilson, gestor de alto rendimento da CBJ.

Já os atletas elogiaram não só a estrutura como a possibilidade de treinar com alguns dos melhores judocas do mundo. Diversos medalhistas em Mundiais e em Jogos Olímpicos estiveram em Saquarema. Na categoria até 57kg feminina, por exemplo, cinco das 10 melhores do ranking mundial participaram do camping.

"O intercâmbio foi ótimo. A presença de atletas desse nível, aumenta muito a qualidade do treinamento. Ter outras atletas do Brasil ajudou a dar volume, o que é muito importante", disse Ketleyn Quadros, lembrando que o treino contou com a presença da equipe juvenil do Brasil.

De volta ao grupo dos 10 melhores do mundo da categoria até 100kg depois dos títulos no European Open de Oberwart (Áustria) e no Grand Prix de Dusseldorf (Alemanha), Luciano Corrêa também elogiou o intercâmbio.

"Esse treinamento foi fundamental as competições ao longo do ano porque deu oportunidade para vários brasileiros pegarem os quimonos dos principais atletas de outras forças do judô mundial. Através desses treinos, temos como conhecer bem os adversários e ver quais pontos precisamos melhorar para derrubá-los em desafios futuros", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016judô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.