CBV vai reintegrar Alessandra à seleção

A jogadora Alessandra, conhecida como Neneca, de 16 anos, vai ser reintegrada à seleção brasileira infanto-juvenil de vôlei, após ter sido cortada por um erro de avaliação médica, em laudo emitido pela Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), no mês passado. De acordo com o deputado estadual Carlos Minc (PT), que auxiliou a atleta, o anúncio será formalizado na quinta-feira, durante uma coletiva na sede da entidade, no Centro do Rio.O laudo da CBV acusou que Alessandra é portadora do traço falciforme, uma doença que poderia levá-la à "morte súbita" e a deixaria incapaz de exercer uma vida de atleta profissional. O erro foi o de que somente uma doença conhecida por "anemia falciforme" é que pode incapacitar uma jogadora e causar até sua morte.O portador de traço falciforme tem por caracaterística possuir um dos gens, responsáveis pela produção de hemácias, mutável. E essa peculiaridade não interfere na vida ativa de seus portadores."Conversamos com especialistas neste tipo de problema e os colocamos em contato com o departamento médico da CBV. Conseguimos mostrar a eles o equívoco que estava sendo feito", explicou o deputado estadual, que obteve laudos do Hemo-Rio, da Secretaria Estadual de Saúde, além do Ministério da Saúde, sobre a impossibilidade de indivíduos com traço falciforme serem impedidos de levar uma "vida normal". "O melhor de tudo é que estabelecemos um modelo que será enviado às outras confederações para que isto não volte a ocorrer."A oposto Alessandra é atleta do Tijuca Tenis Clube, onde começou a jogar aos 11 anos. Destacou-se por sua qualidade de saltadora e por ter um excelente desempenho ofensivo, apesar de ter apenas 1,73m de estatura, e havia sido convocada pela primeira vez para a seleção no início deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.