Marcio Fernandes/Estadão
Marcio Fernandes/Estadão

Celebridades dão apoio a Gabriel Medina na disputa do título

Em momento importante da carreira, surfista conta com a torcida de famosos e anônimos pela 1ª conquista mundial do Brasil no surfe

Paulo Favero - Enviado Especial ao Havaí, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2014 | 07h00

Várias celebridades estão na torcida pelo primeiro título mundial brasileiro no surfe. Pelas redes sociais, elas têm dado apoio a Gabriel Medina, que pode chegar à conquista no Billabong Pipe Masters, diante de rivais como Mick Fanning e Kelly Slater. Os incentivos mais recentes foram dados pelo senador Aécio Neves, o zagueiro da seleção brasileira Thiago Silva e o jogador de basquete Leandrinho.

Todos enviaram mensagens positivas para o brasileiro, que pode ganhar o troféu em um ano ruim para o Brasil do ponto de vista esportivo – o País perdeu a Copa do Mundo e os Mundiais de basquete e vôlei. Claro que é muita pressão para o garoto de 20 anos, que enfrenta rivais que possuem 14 títulos mundiais no total – Slater tem 11, e Fanning, três.

Muitos brasileiros estão no Havaí para assistir à disputa na praia de Pipeline e outros têm mandado mensagens para o surfista. Aécio Neves, por exemplo, manifestou sua torcida em uma rede social. “Todos juntos na energia com Gabriel Medina! O primeiro brasileiro com chances de ser campeão mundial de surfe!”.


Thiago Silva também afirmou que está na torcida por Medina, enquanto Leandrinho mandou boas vibrações ao publicar um foto com a frase “Go Medina”, tradução para o inglês da hashtag da campanha “Vai, Medina”. “Toda sorte do mundo para o @GabrielMedina nas ondas em Pipeline, no Havaí. Espero que você possa encerrar a temporada com esse título mundial de surfe inédito para o nosso povo. #VaiBrasil.”

Após a frustração causada pela derrota precoce em Portugal, na etapa de Peniche, que poderia dar o título antecipado ao garoto, Medina voltou para Maresias e sentiu na pele a fama que alcançou. “Agora foi a vez em que eu mais percebi isso, foi um impacto. Muitos fãs, mídia, tudo aumentou. Sei que isso é resultado do meu trabalho e do que eu tenho feito.”

Com o sucesso, aumentou também o assédio do público feminino, mas o rapaz tenta lidar com isso da melhor maneira para não perder o foco. “Acredito que em qualquer esporte, quando um cara se dá bem e desponta, todo mundo quer saber quem é ele. Quer ver, acaba se tornando fã e acho que isso é normal, ainda mais na praia e no surfe, pois normalmente já tem uma mulherada. É normal esse interesse.”

Medina fica feliz com toda essa torcida e promete lutar até o último segundo das baterias para não decepcionar seus fãs. Mas, independentemente dos resultados dentro da água, ele sabe que o movimento de apoio não para de crescer nas redes sociais e sua fama só tem aumentado. Tanto que até ganhou recentemente um grande espaço nas páginas do New York Times, mais importante jornal dos Estados Unidos.

Ação. Ontem começaram as triagens que vão apontar os dois surfistas havaianos que entrarão na primeira fase do Pipe Masters. Um deles cairá na chave de Gabriel Medina e Dion Atkinson. O outro enfrentará Mick Fanning e Aritz Aranburu. Até o fechamento desta edição, o torneio, que distribui US$ 100 mil (R$ 260 mil), não havia terminado.

Tudo o que sabemos sobre:
SurfeGabriel MedinaPipe Masters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.