César Cielo admite que vitória sobre Phelps dá confiança

Uma das esperanças do Brasil em Pequim, nadador derrota norte-americano nos 100 metros livre

Heleni Felippe, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2008 | 19h35

César Cielo, o principal velocista da natação brasileira na atualidade, teve um fim de semana de muitas emoções em Columbus, nos Estados Unidos, durante a disputa do GP de Ohio. Ele quase não competiu depois de quebrar os dois polegares vestindo um maiô - é isso mesmo, um protótipo da TYR, que estava muito apertado -, o que lhe deixou com muitas dores e o atrapalhou quando segurava no bloco de partida na hora da largada. Ainda assim, nadou e conquistou duas medalhas. O brasileiro levou uma medalha de prata nos 50 metros livre (21s93). E, principalmente, venceu o norte-americano Michael Phelps, multicampeão olímpico e mundial, na prova dos 100 metros livre, quando César Cielo ganhou ouro e ainda fez o novo recorde sul-americano (48s34, baixando uma marca que era dele próprio, de 48s49).  "Vencer o Phelps foi o mais importante do fim de semana. É sempre muito bom ganhar de um cara como ele. Dá confiança. Quero ganhar o máximo de experiência possível até a Olimpíada", disse César Cielo, nesta segunda-feira, já de volta a Auburn (também nos EUA), onde mora, estuda e treina. Com a torcida de sua mãe, Flávia, que estava na arquibancada durante o GP de Ohio, César Cielo ficou muito feliz pela vitória de domingo. "Foi bem legal, fui muito aplaudido. Quando o Phelps ganhava era aquele silêncio. Não sei se as pessoas estavam torcendo para mim ou para o Phelps não ganhar", contou o brasileiro. Aos 21 anos, César Cielo está fazendo sua preparação para a Olimpíada em Auburn. Agora, ele só volta a competir em maio, na disputa do Troféu Maria Lenk, no Rio. Mas, além de treinar, o nadador ainda busca um maiô para competir nos Jogos de Pequim.  Antes de fechar contrato de patrocínio com uma marca de material esportivo, César Cielo quer testar o que está no mercado. No fim de semana, durante o GP de Ohio, ele usou o polêmico e novo LZR Racer, da Speedo - o traje ficou famoso por ter sido utilizado por diversos recordistas mundiais neste ano. Mas, como o maiô estava largo, o brasileiro teve problemas com a entrada de água.  César Cielo já pediu um maiô para a Arena e também quer testar um Trazer Light, da TYR, que sirva para ele. "Os caras ficaram preocupados quando eu fiquei branco e quase desmaiei por causa das fraturas nos dedões. Eu fui subir o maiô, prendi os dedos no tecido emborrachado, rasguei a peça e quebrei os dedos. Não vou ter pressa, quero testar todos antes de me decidir por um", avisou o nadador brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.